Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Buracas do Casmilo - Condeixa-a-nova

por darasola, em 27.11.16

As buracas de Casmilo são uma curiosa formação rochosa existente no concelho de Condeixa-a-Nova, em plena serra de Sicó. A paisagem cársica da zona é percorrida por correntes subterrâneas que deram origem canhões e grutas. Com o desmoronamento das suas paredes, ficaram várias cavidades nas paredes do monte, que criam uma paisagem muito curiosa e interessante. Acompanhei mais uma vez o grupo ANDAR, num percurso que nos levou a passar duas vezes pelo local das grutas. Foi o local escolhido para a paragem de almoço e nessa altura ainda tivemos oportunidade de observar um casal que se divertia a escalar as paredes das cavidades rochosas. Também descobrimos um campo de lapiás, um outra curiosidade geológica. Acabámos por realizar um percurso em oito, num distância total de pouco mais de 13 km, em que a visita às buracas é sem dúvida o ponto alto.

Buracas_Casmilo_01.JPG

Indicações junto à aldeia de Casmilo.

Buracas_Casmilo_02.JPG

Buracas_Casmilo_03.JPG

Campo de lapiás.

Buracas_Casmilo_04.JPG

Caminhando pela paisagem calcária.

Buracas_Casmilo_05.JPG

Cabras a observar o grupo a passar.

Buracas_Casmilo_06.JPG

A vista para a serra em redor.

Buracas_Casmilo_07.JPG

Por aqui também passa uma grande rota.

Buracas_Casmilo_08.JPG

Buracas_Casmilo_09.JPG

As buracas já se avistavam.

Buracas_Casmilo_10.JPG

Buracas_Casmilo_11.JPG

Existem cavidades de cada lado do caminho.

Buracas_Casmilo_12.JPG

Parecem entradas de grutas, mas a verdade é que são pouco profundas e apenas criam pequenos abrigos.

 

Buracas_Casmilo_13.JPG

As cavidades na parede oposta.

Buracas_Casmilo_14.JPG

Dentro da cavidade.

Buracas_Casmilo_15.JPG

É possível ter uma ideia da dimensão das cavidades observando as pessoas no seu interior.

Buracas_Casmilo_16.JPG

Olha, pra mim!

Buracas_Casmilo_17.JPG

Buracas_Casmilo_18.JPG

Os campos floridos de flores naturais.

Buracas_Casmilo_19.JPG

Buracas_Casmilo_20.JPG

A vista até ao horizonte.

Buracas_Casmilo_21.JPG

Buracas_Casmilo_22.JPG

Papoilas entre outras flores.

Buracas_Casmilo_23.JPG

Uma rampa para o pessoal das bicicletas.

Buracas_Casmilo_24.JPG

Buracas_Casmilo_25.JPG

A placa indica que deverá haver um percurso mais "oficial", mas este que fizemos foi delineado no Google Earth.

Buracas_Casmilo_26.JPG

Uma zona curiosa pela passagem por entre a densa vegetação.

Buracas_Casmilo_27.JPG

Proteções para evitar quedas. 

Buracas_Casmilo_28.JPG

Buracas_Casmilo_29.JPG

O regresso à zona das buracas para uma segunda passagem e paragem para almoço.

Buracas_Casmilo_30.JPG

Encontramos um casal a fazer escalada numa parede interior a uma das cavidades. É impressionante vê-lo a progredir em inclinação negativa, com a simples força dos braços.

Buracas_Casmilo_31.JPG

Conseguem vê-lo pendurado.

Buracas_Casmilo_32.JPG

E quando os braços falham, resta a segurança da corda.

Buracas_Casmilo_33.JPG

Continuamos por uma zona mais alta da serra.

Buracas_Casmilo_34.JPG

Buracas_Casmilo_35.JPG

O dia estava fantástico para caminhar e isso refletia-se nas paisagens.

Buracas_Casmilo_36.JPG

Buracas_Casmilo_37.JPG

Passagem pela aldeia de Chanca.

Buracas_Casmilo_38.JPG

Uma represa de água numa zona onde pouca água se vê à superfície.

Buracas_Casmilo_39.JPG

O numeroso grupo do ANDAR

Buracas_Casmilo_40.JPG

Vende-se... mais uma aldeia a morrer.

Buracas_Casmilo_41.JPG

Regresso ao ponte de partida.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 13.5 km

Tempo:  sem registo (paragens para fotos e almoço)

Tipo: circular em 8

Dureza física: 3/5

Dificuldade técnica: 2/5

Beleza do Percurso: 3/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso: n/a

Outros sites de relevo: n/a

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: n/a

Ponto positivos: as buracas de casmilo, as lapiás, 

Pontos negativos: n/a

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O percurso dos sete vales suspensos não era totalmente desconhecido para mim, pois já há uns anos atrás tinha percorrido a zona das falésias de Lagoa e já na altura tinha gostado muito da paisagem. Na altura, percorri o litoral entre o Farol de Alfanzina até à capela da Sra da Rocha. O percurso pedrestre marcado que entretanto foi criado liga a praia de Vale Centianes à praia da Marinha, esta última é uma das mais belas praias do Algarve. O percurso segue a linha da costa do alto das falésias e vai cruzando linhas de água, que se despenham diretamente no mar, criando os "vales suspensos" que dão nome ao percurso.

O percurso tem menos de 6 km, mas deslumbra a cada ponto do sobe e desce que leva a cada vale. A vista para a vertigem azul é constante, a vegetação é tipicamente algarvia, com pinheiros e arbustos perfumados. O trilho está bem marcado e foram construídos mobiliário de apoio como bancos e zona de merendas.

Aparecem alguns pontos de interesse especial ao longo do trilho como o farol de Alfanzina, o algar de Benagil, o leixão do ladrão, a praia do Carvalho, a praia de Benagil e a praia da Marinha. 

Vales_suspensos_01.jpg

O início do trilho

Vales_suspensos_02.jpg

Painel informativo

Vales_suspensos_03.jpg

Os arbustos são a vegetação predominante na zona das falésias.

Vales_suspensos_04.jpg

Painel informativo sobre as arribas e a sua flora.

Vales_suspensos_05.jpg

Até existem uns bancos virados para o vale para descansar e apreciar a beleza da paisagem.

Vales_suspensos_06.jpg

Foram criadas estas estruturas em cada vale suspenso. Suponho que terá sido para a segurança, para que não se aceda a áreas de risco.

Vales_suspensos_07.jpg

Um dos vales suspensos.

Vales_suspensos_08.jpg

Seguindo junto à falésia sobre a imensidão azul.

Vales_suspensos_09.jpg

A vista para trás.

Vales_suspensos_10.jpg

Painel informativo sobre os algares e a sua formação.

Vales_suspensos_11.jpg

Chegada ao farol de Alfanzina, onde tinha começado a caminhada em 2007.

Vales_suspensos_12.jpg

Vales_suspensos_13.jpg

A vista sobre uma pequena enseada, sem outro acesso a não ser por mar.

Vales_suspensos_14.jpg

Existe uma área de merendas junto ao percurso.

Vales_suspensos_15.jpg

Vales_suspensos_16.jpg

Painel informativo sobre o cabo Carvoeiro.

Vales_suspensos_17.jpg

Vales_suspensos_18.jpg

Vista para o Leixão dos ladrões.

Vales_suspensos_19.jpg

Vales_suspensos_20.jpg

Painel informativo sobre o leixão.

Vales_suspensos_21.jpg

Mais uma zona de repouso.

Vales_suspensos_22.jpg

Uma vista impressionante para uma caverna natural na falésia, no topo da qual foi construída uma residência.

Vales_suspensos_23.jpg

Vista para a praia do Carvalho.

Vales_suspensos_24.jpg

 

Vales_suspensos_25.jpg

A particularidade desta praia é o facto de ter sido escavado uma escadaria de acesso à praia por um túnel na rocha.

Vales_suspensos_26.jpg

Vales_suspensos_27.jpg

A entrada do túnel de acesso à praia.

Vales_suspensos_28.jpg

Lá ao fundo, o areal da praia.

Vales_suspensos_29.jpg

A vista fantástica para a praia de Benagil.

Vales_suspensos_30.jpg

Vales_suspensos_31.jpg

A entrada superior do algar de Benagil, um local único.

Vales_suspensos_32.jpg

Painel informativo sobre os tomilhais, que formam verdadeiros tapetes perfumados.

Vales_suspensos_33.jpg

Mais um algar rodeado por barreiras de segurança.

Vales_suspensos_34.jpg

Painel informativo sobre os matagais de zimbro.

Vales_suspensos_35.jpg

O zimbro.

Vales_suspensos_36.jpg

Vista para a praia da Marinha e as suas curiosas formações rochosas.

 Vales_suspensos_37.jpg

As falésias foram esculpidas pela erosão.

Vales_suspensos_38.jpg

A praia com os seus leixões que parecem velas de navios.

Vales_suspensos_39.jpg

Vales_suspensos_40.jpg

Painel sobre as geoformas da praia.

Vales_suspensos_41.jpg

A vista para o areal onde termina o percurso.

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 5.7 km (o dobro se fizer ida e volta)

Tempo:  2h (+/- com paragens para fotos e almoço)

Tipo: linear

Dureza física: 2/5

Dificuldade técnica: 2/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: 5/5 (em caso de dúvidas basta seguir a linha da costa)

Informações sobre o percurso: n/a

Outros sites de relevo: n/a

Panfleto oficial: aqui

Trilho GPX: n/a

Ponto positivos: a beleza das falésias e praias algarvias

Pontos negativos: n/a

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D