Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Desta vez, deixo aqui uma sugestão diferente que não corresponde sequer a uma caminhada, mas apenas a um pequeno passeio. Para quem vier a Arouca conhecer os passadiços do Paiva e ainda tiver forças para um pouco mais, fica a sugestão para conhecer os Icnofósseis de Cabanas Longas, mais um dos geossítios do Arouca Geopark.

Mas o que são icnofósseis? Se os fósseis correspondem a organismos que ficam preservados na rocha, os icnofósseis são vestígios desses organismos (pegadas, rastos) e que correspondem a vestígios da atividade desse organismos. Os icnofósseis de Cabanas Longas correspondem a pistas de cruzianas que fossilizaram e que aparecem agora expostas numa rocha vertical como se fosse uma parede. Para quem quiser saber mais podem consultar o site do geopark Arouca.

Foi inaugurada este ano um acesso ao local que veio facilitar a visita a todos. Por minha parte, já tinha ido ao local, mas o acesso fazia-se na altura monte acima e no meio de mato. Com a construção de uma escadaria e de plataformas elevas, o acesso ficou bastante facilitado. Para chegar ao local basta passar a zona do Areinho e da ponte sobre o rio Paiva e seguir em direção a Alvarenga. Poucas centenas de metros acima, numa curva em gancho de 180º, um corte surge em direção à aldeia da Paradinha. O local fica mesmo junto a essa estrada. Depois de descobrir o local, recomendo a visita à aldeia da Paradinha, com as suas casas de xisto e a praia fluvial.  Ficam as fotos do passeio.

Cabanas_Longas_01.jpg

A escadaria de acesso junto à estrada.

Cabanas_Longas_02.jpg

Quase a chegar ao topo.

Cabanas_Longas_03.jpg

As plataformas e escadarias de acesso.

Cabanas_Longas_04.jpg

Cabanas_Longas_05.jpg

A vista a partir da plataforma mais alta.

Cabanas_Longas_06.jpg

Outra perspetiva

Cabanas_Longas_07.jpg

Cabanas_Longas_08.jpg

Painel informativo sobre o geossítio.

Cabanas_Longas_09.JPG

A parede com os icnofósseis.

Cabanas_Longas_10.JPG

Bom passeio

darasola

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Trilho do Canhão do Vale do Poio - Pombal

por darasola, em 09.08.16

A proposta do grupo ANDAR era a visita ao Canhão do Vale do Poio, trata-se de um canhão fluviocársico constituído por vertentes escarpadas, que a água escavou e modelou na Serra de Sicó. O trilho foi desenhado pelos membros do ANDAR e levou-nos a percorrer o canhão, bem como alguns caminhos da serra em redor. O percurso foi iniciado na aldeia de Poios e foi feito no sentido contrário aos ponteiros do relógio. Depois de sairmos da aldeia, seguimos por caminho agrícolas, por entre campos, até entrarmos na parte mais larga do canhão. A sua largura e a altura das vertentes impressionam, sobretudo quando nos apercebemos que nos seu fundo corria apenas um pequeno ribeiro, para o qual bastava dar um salto para atravessar. As forças geológicas que por ali trabalharam durante milhares de anos criaram esta estranha formação sem pressas. Podemos observar alguma cavidades naturais formadas nas encostas, assemelhando-se a pequenas grutas. A vegetação era essencialmente composta por arbustos baixos, no entanto, em determinada parte do trilho, entramos num verdadeiro túnel de vegetação, que quase nos engole. Ali, a humidade e frescura eram elevadas, daí a presença de vários tipos de líquenes e musgos. Depois de sairmos do canhão, seguimos por caminhos rurais até às povoações de Mocifas de Santo Amaro e Covão das Favas. Pouco depois dessa segunda localidade, fomos até ao primeiro miradouro, onde fizemos uma foto de grupo. Finalmente, dirigimo-nos para a zona da capela da Sra da Estrela, onde um novo miradouro nos presenteou com vistas sobre a paisagem em redor. Não perdemos a oportunidade de registar em fotos a curiosa capela que se encontra cravada numa falésia calcária, formando um altar natural.

Canhao_Poio_01.jpg

O grupo na aldeia de Poios.

Canhao_Poio_02.JPG

A bifurcação no caminho: seguimos pela direita e voltaríamos pela esquerda para concluir o trilho.

Canhao_Poio_04.JPG

Por caminhos agrícolas.

Canhao_Poio_05.JPG

Canhao_Poio_06.JPG

Início do trilho de pé posto para a entrada do canhão.

Canhao_Poio_03.jpg

Sinalética no início do trilho.

Canhao_Poio_08.JPG

Canhao_Poio_07.jpg

A vista imponente para o canhão e as suas vertentes.

Canhao_Poio_09.jpg

Canhao_Poio_10.jpg

O grupo seguindo em fila ao longo do trilho de pé posto.

Canhao_Poio_11.jpg

Canhao_Poio_12.jpg

Não tive oportunidade de perceber qual era a Grande Rota que passava pelo canhão, mas sem dúvida que será um percurso bastante interessante.

Canhao_Poio_13.jpg

Observando uma das cavidades.

Canhao_Poio_14.jpg

Dentro da cavidade.

Canhao_Poio_15.jpg

Na zona onde a vegetação formava um túnel natural.

Canhao_Poio_16.jpg

Saindo do canhão para uma zona de campos agrícolas.

Canhao_Poio_17.jpg

Reflexos de um caminhante.

Canhao_Poio_18.jpg

Canhao_Poio_19.JPG

Um gigante a observar o grupo.

Canhao_Poio_20.jpg

Canhao_Poio_21.jpg

Canhao_Poio_22.jpg

Zonas de vinha.

Canhao_Poio_23.jpg

O campos estão delimitados por muros de pedras calcárias bem características.

Canhao_Poio_24.jpg

Canhao_Poio_25.JPG

O grupo no local do primeiro miradouro.

Canhao_Poio_26.JPG

O segundo miradouro, por cima da capela da Sra da Estrela.

Canhao_Poio_27.JPG

Canhao_Poio_28.jpg

A vista.

Canhao_Poio_29.jpg

O miradouro e a capela cravada na encosta.

Canhao_Poio_30.jpg

Canhao_Poio_31.jpg

Uma outra perspetiva da capela, onde se percebe a estranha cavidade natural junto ao edifício.

Canhao_Poio_32.JPG

Canhao_Poio_33.JPG

Parece mesmo um altar natural.

Canhao_Poio_34.jpg

Descendo para voltar à aldeia de Poios.

Canhao_Poio_35.jpg

Monumento alusivo aos peregrinos locais.

Canhao_Poio_36.jpg

Regresso à bifurcação da aldeia de Poios.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 11 km

Tempo: 4h (+/- com paragens para fotos e almoço)

Tipo: circular

Dureza física: 2/5

Dificuldade técnica: 2/5

Beleza do Percurso: 3/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso: aqui

Outros sites de relevo:

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: n/a

Ponto positivos: o canhão do vale do poio, a capela da Sra da Estrela.

Pontos negativos: n/a

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Links

FÓRUM Darasola

Projetos de caminhadas

Trilhos de Arouca

Pedestrianismo

Viajantes

Percursos Pedestres

Outros

Organismos Oficiais

Sites em hibernação

Santiago de Compostela

Espanha

França



Wikiloc - darasola

Wikiloc