Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Açores - Pico - Gruta das torres

por darasola, em 25.03.17

Mudança de ilha no Açores: passamos para a ilha do Pico. O objetivo era obviamente a subida ao ponto mais alto de Portugal, mas isso fica para outro post. A primeira paragem foi para um percurso bem diferente do habitual.

azores_pico_gruta_torres_08.JPG

Antes de subirmos ao alto do vulcão, embrenhamo-nos nas profundezas da terra e descemos pelas entranhas de um túnel lávico na Gruta das Torres.

azores_pico_gruta_torres_09.JPG

A Gruta das Torres é o maior tubo lávico de Portugal, com uma extensão de 5150 m, fazendo parte da formação dos Lajidos - Gruta das Torres, inserida no Complexo Vulcânico da Montanha. Estima-se que se terá formado há cerca de 1500 anos durante uma erupção com origem no Cabeço Bravo. O percurso aberto ao público é de apenas 450 m e dura cerca de 1 hora e é uma experiência muito interessante que do ponto de vista turístico, quer do ponto de vista pedagógico.

azores_pico_gruta_torres_01.JPG

Entrada do centro de visitantes. No local, assistirmos a um pequeno vídeo explicativo da formação do túnel lávico. Os guias explicaram as regras de segurança da visita subterrânea.

azores_pico_gruta_torres_07.JPG

Após equiparmo-nos com um capacete de segurança e uma lanterna para cada um, dirigimo-nos para a entrada.

azores_pico_gruta_torres_02.JPG

A entrada faz-se pelo algar da ponte no meio de uma vegetação luxuriante.

azores_pico_gruta_torres_03.JPG

Debaixo de uma verdadeira abóbada verde.

azores_pico_gruta_torres_04.JPG

Escadaria de acesso à entrada do túnel.

azores_pico_gruta_torres_05.JPG

azores_pico_gruta_torres_06.JPG

A descida até à entrada real da gruta.

Torres_1.JPG

Dentro da gruta, pudemos observar várias formações geológicas resultando dos vários tipos de viscosidade e temperatura da lava que por ali passou.

Torres_2.JPG

A experiência não é recomendável a quem é claustrofóbico, ou quem não gosta do escuro, em particular devido à "brincadeira" proposta pelo guia. Propôs-nos a todos desligarmos as lanternas e ficarmos completamente às escuras. Uma experiência em que apenas se ouve o gotejar na imensidão dos mais de 5 km de túnel.

Torres_3.JPG

De volta à saída e à cúpula vegetal do algar.

Bom passeio

@darasola

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D