Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Subida do Rio Poio

por darasola, em 28.05.10

A última aventura Darasola foi uma subida de rio, perto de Ribeira de Pena, um pouco acima do Parque do Alvão. O rio em questão é o rio Poio (sim, Poio!), um pequeno rio de montanha, idêntico a outros que já percorri como o Caima ou o Teixeira. A dificuldade destes percursos é notória, principalmente se tivermos em conta que.. não há caminho, a não ser o leito do próprio rio. O que vale é que esse mesmo leito está cheio de fragões e penedos, que permitem andar a saltitar de pedra em pedra e assim evitar ir à água. Se fosse um dia mais quente, até saberia bem, mas a semana anterior tinha sido de chuva e o sol brilhava mas sem grande intensidade.
Do ponto de vista técnico, este percurso implica ter um calçado confortável e adequado para saltar de pedra em pedra, com uma boa aderência às rochas. As botas são, quanto a mim, desaconselhadas por terem um "cano" alto que acaba por pisar o tornozelo.
Certo é que um grupo de quase 20 pessoas acabou por se juntar com um objectivo comum: desfrutar das belezas do rio Poio.
A subida é longa e penosa para quem não tiver algum à vontade neste tipo de condições, o que acaba sempre por acontecer em grupos numerosos e este caso não foi excepção. O que vale é a boa disposição e a solidariedade do grupo que vai ajudando os menos desenrascados. Passámos por vários "poços" onde apeteciam mergulhar, encontrámos vários moinhos em ruínas que nos deixavam sempre com a mesma dúvida: "Como é que eles carregavam o milho até cá e depois levavam a farinha embora??". Tempos difíceis esses de outrora...
Deparámo-nos com uma verdadeira muralha numa das margens, cuja utilidade não conseguimos perceber... Alguém da zona sabe?
A progressão até ao Poço do Inferno foi penosa, mas valeu bem a pena... Um pouco mais e chegámos a uma fantástica cascata, que se despenha do alto de uma altura entre cinquenta e sessenta metros (estimativa minha) numa lagoa escura. Foi o local escolhido para almoçar. A partir daqui, tivemos de regressar pelo mesmo caminho, visto que era quase impossível ultrapassar o obstáculo do precipício da queda de água, sem material especial. O regresso foi algo complicado para um dos aventureiros, cujo almoço caiu mal e provocou uma forte indisposição que nos fez recear as condições do regresso, no entanto, pouco a pouco, lá conseguimos voltar aos carros.
Ainda tentámos atacar a vertente superior do rio, e para tal tivemos de descer uma ravina com 200 m de profundidade até o alcançar, no entanto, como o dia estava quase a acabar e antes de ficarmos sem luz natural, optámos por regressar e subir os 200 m, serra acima.
Foi uma grande ( e dura) aventura que acabou por causar dores nas pernas durante dois dias, mas que valeu bem a pena. Voltaria a repetir sem hesitar o percurso.
Boas caminhadas
Darasola

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Sara Ferreira a 08.06.2010 às 20:21

Oi!Essa cascata tem 70 metros de altura. Tens algum mapa do percurso? Por onde começaste a viagem? podes enviar para o meu e-mail? obrigada
Sem imagem de perfil

De nuno vasconcelos a 22.03.2011 às 15:10

Olá!
estou interessado em fazer este percurso... alguém podes dar-me mais informação? mapas... por onde começar...
obrigado!
nuno
Sem imagem de perfil

De Dayse a 30.12.2011 às 17:11

Meu pai passou a infância tomando banho nesse rio em Alvadia. E em 2007 eu e minhas filhas tb fizemos uma pequena subida partindo de Azeveda, onde tem essa pequena muralha. Nada comparado a sua aventura, só estávamos indo a procura do melhor local para o banho. E lógico com alguém q conhecia o lugar.

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D