Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Continuando o périplo por Sintra, aproveitei por conhecer uma das 7 maravilhas de Portugal: o Palácio da Pena.

Segundo as informações do site da CM de Sintra: o Palácio da Pena constitui o mais completo e notável exemplar de arquitectura portuguesa do Romantismo. Edificado a cerca de 500 metros de altitude, remonta a 1839, quando o rei consorte D. Fernando II de Saxe Coburgo-Gotha (1816-1885), adquiriu as ruínas do Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena e iniciou a sua adaptação a palacete. Para dirigir as obras, chamou o Barão de Eschwege, que se inspirou nos palácios da Baviera para construir este notável edifício. Extremamente fantasiosa, a arquitectura da Pena utiliza os "motivos" mouriscos, góticos e manuelinos, mas também o espírito Wagneriano dos castelos Schinkel do centro da Europa. Para mais informações, veja o site oficial.

Realmente o aspeto do palácio não deixa dúvidas quanto à mistura de estilos na aquitetura.

O portão de entrada para o primeiro pátio.

A vista para a zona mais urbanizada de Sintra.

Passagem pela pequena ponte...

... antes de chegar ao templo das colunas.

Subindo em direção a sul, encontrei, num alto, a estátua do guerreiro, que dizem representar o rei guardião da sua obra.

A mesa da rainha, um dos locais preferidos da rainha D. Amélia.

O trilho é bastante exigente no que diz respeito ao piso. Para além das pedras serem irregulares, o facto de o parque ser bastante sombrio e húmido, torna o conjunto bastante escorregadio. Não deviam ser nada fáceis as caminhadas da rainha...

No alto de S. Catarina, surge o trono da rainha...

... de onde se pode gozar a beleza desta vista!

O castelo em todo o seu esplendor.

Continuação do trilho, com uma passagem "subterrânea".

Chegada à gruta do monge.

A entrada da gruta do monge.

Um dos paineis da sinalética do percurso. Seguimos sempre a subir em direção à cruz alta.

O trilho bem agradável num dia quente de verão, só que este verão de 2011 foi um bocado atípico. Felizmente o sol estava presente neste dia.

A subida final...

... até chegar à Cruz alta...

... colocada no ponto mais alto da serra de Sintra, a 529 m de altitude.

A cruz alta e o palácio da Pena em pano de fundo.

A partir daqui, o trilho foi sempre a descer, por vezes de forma bastante acentuada e escorregadia.

A vista a partir do miradouro para a costa de Sintra.

Descendo...

... até chegar à fonte da preta.

O trilho continua por entre o denso ambiente vegetal.

O verde é sempre a cor dominante.

Continuei em direção aos lagos.

Encontrei vários exemplares de fetos arbóreos.

Alguns deles bem grandes!

A fonte dos passarinhos, com o seu inabitual estilo islâmico.

Uma das originalidade vegetais do parque: as tuias gigantes, uma árvore natural da América do norte cuja particularidade é a estranha forma dos ramos inferiores, que crescem junto ao solo e formam raízes próprias.

Seguimos à esqueda, para os lagos.

A estátua alusiva a D. Fernando II, que esteve por detrás desta pequena revolução, que transformou o alto da serra, uma zona quase sem vegetação, num belo parque verdejante.

Chegada à pateira.

O lago principal com o seu torreão.

Uma bela zona de repouso com uma vista privilegiada: um convite ao descanso.

Um curioso a observar uns caminheiros na esperava de receber algum pedaço de pão.

Eis um belo percurso para apreciar a beleza desta maravilha nacional

Positivo: para além do palácio da Pena, a beleza do percurso, as sombras e as espécies naturais que por lá se podem observar

Negativo: o piso em algumas zonas é bastante traiçoeiro. Como se trata de um destino tipicamente turístico, muitos poderão não estar equipados com um calçado adequado.

Podem encontrar o mapa interativo oficial aqui.

Boas caminhadas

darasola

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D