Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilha das Berlengas - Trilho da Berlenga

por darasola, em 06.12.11

O segundo trilho (ver o primeiro aqui) percorrido na ilha das Berlengas é o chamado "Trilho da Berlenga", um percurso com cerca de 3 km, que nos leva a ponta sudoeste da ilha. É possível realizar este percurso na continuidade do trilho da ilha velha (o que eu fiz).

Fotografia aérea onde se pode ver a parte da ilha que o trilho percorre.

Berlengas_mapa

Mapa da ilha

Depois de percorrido o 1º trilho, continuei na subida até ao planalto da ilha onde se encontra o farol.

Durante a ascensão, pode ver-se do lado direito do trilho, o carreiro dos cações, um pequena enseada de águas azul turquesa.

O farol das Berlengas ou do Duque de Bragança, datado de 1841, alcança os 112 m acima do nível do mar e projeta o seu raio a cerca de 52 milhas de distância (mais de 90 km).

Aqui surgem outros trilhos apenas acessíveis a pescadores autorizados. Convém recordar que é uma reserva natural e como tal é necessário respeitar as normas existentes.

Continuámos pelo trilho, alcançando esta bifurcação. Seguindo pela esquerda alcançaríamos...

... um local de onde temos esta fantástica vista sobre o forte de S. João Baptista.

A descida até ao nível do mar é bastante exigente e com calor ainda mais. Felizmente (ou infelizmente) o dia estava meio cinzento, pelo que o percurso não foi muito complicado. Difícil sim, seria o regresso, na longa e dura subida pela escadaria até ao planalto.

A ponte de acesso ao forte sobre as águas límpidas proporciona um cenário muito agradável e digno de registo.

As águas são mesmo translúcidas.

Uma perspetiva que permite ter uma noção da descida até ao forte.

Ei-lo! O Forte de S. João Baptista é uma fortificação do Séc. XVII, assente num pequeno ilhéu, ligado pela ponte em arcadas e com um pequeno ancoradouro.

A vista a partir do terraço do forte. É pena encontrar alguns objetos que não têm nada a ver com o cenário expectável, mas apesar disso, a visita é muito agradável (e gratuita).

A vista por uma janela.

Painel informativo.

O referido ancoradouro, de onde partem os pequenos barcos que levam os turistas para o percurso marítimo do trilho das grutas (que não fizemos, infelizmente).

É possível realizar um percurso de kayak.

A despedida do forte, antes da dura e looonga subida. Por azar, o sol descobriu-se nesse momento e o calor aumentou a dificuldade.

De regresso ao planalto, seguimos na direção oposta ao farol e passámos por esta área cimentada, que, à primeira vista, deverá servir para aproveitamento das águas da chuva. No entanto, com tantos dejetos de gaivotas, não sei bem como conseguiam contornar este "incómodo".

O trilho continua até à ponta da ilha.

Mais um aspeto do mesmo, até alcançar o fim do percurso, sensivelmente onde estão as pessoas mais afastadas da fotografia.

O percurso permite avistar este local cuja beleza é impressionante.

É possível ver uma das grutas que atravessa o maciço de pedra.

Este é mesmo o fim do percurso e nada mais resta do que...

... regressar em direção ao farol...

... e descer para o bairro dos pescadores e aproveitar o resto da tarde na praia do carreiro do mosteiro. O bairro dos pescadores (construído em 1941) foi erigido, segundo os relatos, no local onde terá existido um mosteiro quinhentista da ordem jerónima.

A vista à ilha é um "must do" não só pelas paisagens e beleza natural, mas especilamente pelo valor ambiental, biológico e geológico. Claro que também é um paraíso para os mergulhadores, mas o mergulho é "uma cena que a mim não me assiste".

A despedida das Berlengas a bordo do Avelar Pessoa.

Uma outra perspetiva sobre o forte de S. João Baptista.

Um perspectiva abrangente de toda a ilha e dos ilhéus em redor.

O regresso a terra é feito com a passagem diante do cabo Carvoeiro e do seu farol.

O ficheiro do trilho que junta os dois percursos está disponível na conta darasola do wikiloc.

Boas caminhadas

Darasola

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D