Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O desejo de conhecer a zona das aldeias do Xisto já era antigo e finalmente tive a oportunidade de conhecer essa zona. A escolha do percurso recaiu sobre a Lousã, pela maior proximidade em relação ao alojamento e pelo interesse despertado pelos dois percurso pedestres locais o PR1 - "Rota dos Moinhos da Serra da Lousã" e o PR2 - "Rota das aldeias serranas". Como é muito fácil ligar um ao outro, optei por realizar os dois de uma só vez. O percurso aumenta um pouco em dificuldade, mas continua perfeitamente acessível e fica muito mais enriquecido do ponto de vista paisagístico.

O percurso inicia-se em pleno centro da vila da Lousã, junto à igreja local...

... onde existe um painel informativo sobre o PR1.

Sinalética em pleno centro urbano.

Outro tipo de sinalética existente nas ruas da vila, aqui, junto ao Hotel local.

Pouco a pouco o percurso abandona o centro urbano em direção... a uma fábrica!? Curiosamente, é o que acontece, pois o trilho florestal começa mesmo junto a uma fábrica (pareceu-me de transformação de papel) e somos acolhidos pelo barulhos das ventoinhas das grandes chaminés a dissiparem o vapor de água. Surpreendeu-me pela negativa, mas felizmente o resto do percurso fez logo esquecer esse detalhe.

Aspeto inicial do caminho, entre o muro do monte e o muro da fábrica.

Pouco a pouco, a floresta começa a revelar o seu encanto, com árvores majestosas (algumas dentro do recinto da fábrica) e pequeno passadiços de madeira.

Um aspeto do vale por onde se inicia o trilho e onde corre o rio Arouce.

O trilho e a ladeira, com uma levada do lado direito.

Uma levada acompanha a parte inicial do trilho e deve servir para abastecer a fábrica anteriormente referida.

Mais uma pequena travessia de madeira.

Uma comporta no percurso da levada.

Alcançámos então uma zona onde o percurso tem de cruzar o leito rochoso do rio. Apesar de ser inverno, o leito ia praticamente seco, pois a água era canalizada para a levada. Este local pode ser problemático caso a época seja de chuvas abundantes, pois, apesar de existir uma árvore que ligam as duas margens, acho pouco aconselhável usá-la para fazer de Indiana Jones.

Foto tirada já na outra margem.

A sinalética existente na margem oposta revela o que disse: o troço é condicionado pelo caudal do rio e é de evitar a travessia em época de chuvas fortes, pois existe perigo de enxurrada.

O trilho revela então a sua beleza: zonas onde o caminho serpenteia entre uma vegetação que não é o habitual eucalipto ou pinheiro bravo.

Verdadeiros tapetes de musgo aconchegam o nosso caminho...

... até nos ser revelada a beleza do Castelo da Lousã.

Uma pequena cascata surge entalada num encosta e entre eucaliptos enormes (a vegetação anterior desaparece rapidamente).

Uma escadaria artesanal e íngreme.

A vista para a zona da capela da Srª da Piedade, um pequena santuário encantador.

Aspeto do caminho na chegada à zona da capela. A partir daqui encontrámos o PR2, que seguiríamos posteriormente serra acima.

Uma capela...

Sobe-se mais um pouco...

... e surge outra capela. A vista lá do alto é muito bonita.

A perspetiva sobre o castelo é única e as cores das árvores circundantes davam um belo colorido a este cenário.

O castelo na perspetiva da capela.

A partir daqui, pretendia seguir pelo PR2 e subir até às aldeias da serra.

Mais uma perspetiva do local.

Ainda passámos por um cruzeiro de onde se tinha outra bela vista panoramica.

E a partir daqui seguimos pelo PR2 - Rota das aldeias serranas em direção a Casal Novo.

De uma lado e do outro, verdadeiros muros de mimosas e austrálias.

Pelo caminho ainda fizemos um amigo de quatro patas que nos acompanhou durante a subida.

Na chegada a Casal Novo, a vista para o vale e para a vila da Lousã no sopé da serra.

Algumas casas da aldeia de Casal Novo, onde não vimos ninguém.

Mais uma perspetiva.

A paragem seguinte era o Talasnal (40 min segundo a informação).

Pelo trilho ...

Depois da travessia de uma zona de plantação de pinheiros, onde encontrámos marcas frescas de javalis, revelou-se nos, por fim, esta vista fantástica para o Talasnal, com a Serra do Açor em pano de fundo. A vista é soberba e foi mesmo uma bela surpresa, que me deixou uns instantes parado a admirar a perspetiva.

Lá no alto, as antenas televisivas que insistem em manchar a paisagem em lugares fantásticos como este (como por exemplo no S. Macário em S. Pedro do Sul ou na Serra do Marão...)

A entrada na aldeia do Talasnal pelo trilho pedestre.

É do louvar o cuidado na escolha dos materiais e na aquitetura usada para o restauro / reconstrução das habitações.

Pormenor numa das fachadas de uma casa.

O Talasnal foi para nós a aldeia dos gatos, tal era o número de felinos que vimos por lá, consolados a saborear o sol do inverno.

O nosso objetivo era almoçar no restaurante local, o "Ti Lena". Quando que esbarrávamos numa porta fechada, mas felizmente tivemos sorte e pudemos repor as nossas forças com um belo almoço.

O exterior do restaurante.

A entrada do mesmo.

O seu interior.

O balcão do bar.

Uma bela chaminé "à antiga" num canto da casa esperava-nos. Depois de um retemperador cabrito assado com castanhas, retomamos o caminho.

Mais um painel informativo.

A placa diz tudo...

Pelas ruelas da aldeia, seguindo o caminho.

A partir daqui é sempre a descer... e que descida!

Pelo caminho passa-se junto a uma central hidroelétrica, chamada da ermida. Lá ao fundo, suponho que seja a ermida que lhe dá nome.

Com mais zoom.

Esta parte da descida do Talasnal até à ribeira da ermida é bastante traiçoeira: o trilho é muito estreito e escorregadio devido à humidade (na altura do passeio). Uma distração ali pode ser muito complicada, pelo que recomendo o uso de bastões de marcha para dar outra segurança.

A canalização que leva a água da represa até à central propriamente dita. A descida acaba na passagem junto à central que mais parece um casa de alguém. O trilho passa uma pequena ponte e fiquei na dúvida se seria mesmo por ali e se não estava a entrar em propriedade privada, mas pelos vistos não.

Depois da central elétrica, segui por um estradão e depois uma pequena estrada, deixando para trás o vale sombrio e a ermida (onde o percurso não chega a passar).

Voltámos à zona da N. Srª da Piedade...

... e passámos junto ao Castelo.

Infelizmente já se encontrava fechado e não foi possível visitá-lo, mas gostei do seu estado de conservação e da zona envolvente.

A vista para a capela onde estivera na parte da manhã.

Descemos até ao rio pelo PR1, que voltámos entretanto a encontrar...

... no entanto, seguir o trajeto implicava molhar o pézinho. Acabámos por voltar para trás à procura da alternativa...

... que passava por ir à zona da praia fluvial e passar pela ponte para voltar à zona da capela da N. Srª da Piedade. A partir daí, só tive de seguir o caminho por onde passara de manhã.

O cenário é bastante agradável, com o rumor da água a correr.

Entrada principal no santuário da N. Srª da Piedade.

 

Avaliação

Marcações: Bom

Paisagem: Muito Bom

Dificuldade: Média alta

Observações: a passagem das ribeiras em altura de chuvas pode ser complicada. A descida do Talasnal requer cuidados redobrados.

 

Boas caminhadas

darasola

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.08.2015 às 14:25

Boa tarde. Sabe quanto tempo até à aldeia do Tanascal, partindo do PR1 e continuando o PR2?

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D