Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Trilho exótico - PR 16 - Arouca

por darasola, em 04.06.13

Já tinha percorrido o PR16 mais do que uma vez, mas apercebi-me que nunca o tinha registado para partilhar aqui no blog. Considero-o talvez aquele mais "sem sabor" da oferta de percursos de Arouca. Não sei explicar porquê, talvez pela indefinição do nome ("Trilho Exótico"??!?) que não significa nada em concreto, ou pelo facto de passar numa zona onde a Freita não tem grande beleza como noutras. Mesmo assim, permite apreciar as vistas para o Vale de Arouca. Este percurso também tem um caraterística especial do ponto de vista do relevo, já que se carateriza por uma longa descida que nos leva à altitude da aldeia de Souto Redondo para subirmos novamente até ao planalto, num parte que até não é muito longa, mas que parece interminável. Gosto de algumas partes onde a vegetação se carateriza por abetos verdejantes, que terá sido provavelmente a origem do nome do trilho.

Pude também verificar in loco os estragos provocados pelo rigoroso inverno deste ano, já que o caminho que liga Souto Redondo ao alto da serra está irreconhecível. Um estradão onde antes chegavam a passar carros (soube pelo menos de alguém que fez isso de 4L) está agora de tal forma, que provavelmente nenhum jipe se aventuraria por lá em segurança. Espero que a câmara local trate disso, pois acredito ser uma ligação importante em caso de incêndios.

Neste regresso ao PR 16, acabei por fazer uma coisa que não gosto de fazer, que é começar o trilho tarde. Nessa altura, a hora tinha mudado para a de verão, mas mesmo assim não me livrei de acabar quase de noite. Levava lanterna , é claro, mas o trilho não tem tanta piada assim.

Deixo aqui o registo fotográfico desse passeio.

Início do percurso

A primeira vista sobre o vale de Arouca... e uma lixeira a céu aberto logo ao lado do caminho.

As giestas ladeiam o caminho formando autênticas paredes.

Início da descida.

Os primeiros sinais da deterioração do caminho.

A água ainda corria ali ao lado.

Alguma ainda seguia pelo meio do caminho que se encontrava completamente "lavado".

Um caminho? Uma calçada?

Parte do caminho foi levado pela enxurrada.

O poste invisível.

Pouco antes de chegar à estrada de Souto Redondo, o trilho bifurca para a direita para iniciarmos a longa subida até ao planalto.

Sinalética e material.

O início da subida faz-se por uma zona que ardeu há poucos anos e ainda não recuperou.

Num cruzamento mais acima, as marcações não são visíveis e não existe placas. Pode surgir a dúvida sobre qual o caminho a seguir.

A primeira subida mais "intensa".

Os raios de sol a darem coragem para continuar o caminho.

Um afloramento de quartzo.

Eis a subida mor. É de tirar o fôlego!

Chegados ao caminho da meia encosta, podemos finalmente retomar o nosso fôlego e seguir mais suavemente ao longo das curvas de nível.

Será na praia?

O trilho leva-nos novamente na direção do ponto de partida.

Voltamos a encontrar a estrada a pouco metros de onde tínhamos começado o trilho...

 mas voltamos a abandoná-la imediatamente para seguir pelo trilho.

Os trilho está algo marcado pela passagem de veículos todo-o-terreno.

A vista para o vale de Arouca. O dia não estava muito bom e a paisagem parecia soturna.

As árvores nem sempre morrem de pé.

Chegada a um dos parques de merenda existentes na Freita, num belo bosque de bétulas.

Aí, basta seguir pela estrada em direção ao parque de campismo.

Passagem por uma confluência de percursos pedestres.

Chegada à uma das antigas casas da guarda florestal. 

Passagem pelo parque de campismo.

O percurso segue então pela estrada em direção à Mizarela para bifurcar à direita, 500m à frente, para atravessar a aldeia do Merujal. Dessa passagem já não há fotos. Depois de a atravessar, voltámos ao ponto de partida.

 

Ficha técnica: 

Distância: 9 km +/-

Tempo: 1h30 a 2h

Tipo: circular

Dureza física (pela subida acentuada)

Dificuldade técnica (devido ao mau estado do trilho)

Beleza do Percurso

Marcação (algumas zonas têm falta de sinalização devido ao incêndio que as destruiu há alguns anos)

Informações sobre o percurso: http://www.cm-arouca.pt

Panfleto oficial: http://www.cm-arouca.pt

Fonte: cm-arouca.pt

 

Ponto positivos: a vegetação em alguns pontos, a beleza das vistas sobre o Vale de Arouca e a paisagem no horizonte

Pontos negativos: algumas falhas de sinalização, a falta de "essência" deste percurso

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D