Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PR4 - Cercanias da Freita - Arouca

por darasola, em 10.09.07

Mais um post sobre um Percurso Pedestre em Arouca. Já que tenho algum tempo livre, aproveito para caminhar e, da mesma forma, divulgar os percursos existentes em Arouca.

Desta feita, servi de guia a algumas pessoas para a descoberta do PR4 "Cercanias da Freita ". O percurso é circular e tem cerca de 13 km. Inicia-se na aldeia de Stª Maria do Monte dirigindo-se em direcção à Serra da Freita e regressando ao mesmo local de partida.

Pelos caminhos na aldeia de Stª Maria do Monte.

Adiante o percurso continua por zonas de floresta. Logo à saída da aldeia encontram-se estas curiosas "alminhas".

Pela sombra existente em quase toda a extensão do percurso, é uma boa escolha para um dia de verão.

Pelo caminho, as marcas do PR assinalam o crescimento da árvore e consequentemente a passagem do tempo.

A vista da Freita . Ainda falta subir um bom bocado...

Chegada à aldeia da Ameixieira, um local onde as tarefas do campo continuam a ser a rotina do dia a dia. Já pouca gente vive nesta aldeia...

Passagem debaixo de uma densa ramada, numa zona de campos. Um óptimo local para parar um pouco.

Segue-se novamente pelo monte em direcção ao ponto mais alto deste percurso, os viveiros da Granja.

Nesta zona sem árvores devido aos incêndios de 2005, o calor apertava...

... mas a paisagem é fantástica!

Chegada ao caminho de acesso aos viveiros. Chamo a este caminho, o caminho da "meia-encosta" porque percorre a Serra da Freita pelo meio do seu flanco virado a Norte.

A vista é fantásticas e, em dias de céu liso, é possível avistar com facilidade, o grande Porto, a torre do Monte da Virgem, o Estádio do Dragão e a torre das Antas. Nesse dia, a vista não estava grande coisa.

Chegada aos viveiros da Granja. é pena o estado de abandono em que se encontram os edifícios da Guarda Florestal. Seria óptimo restaurá-los e aproveitá-los para actividades ligadas à descoberta e conservação do património natural da Serra da Freita . Na estrada, o percurso segue descendo à esquerda.

Logo adiante vira-se em direcção às aldeia de Espinho e Chão-de-Espinho .

Passagem próximo da aldeia.

Um campo de milho com o "Coto de Boi" em pano de fundo.

O caminho segue pelos campos.

Até chegar novamente à estrada. Supostamente o PR continua à esquerda numa pequeno caminho, no entanto, a vegetação (silvas e mato) está tão alta que foi muito difícil transpor este obstáculo. É lamentável que a câmara ou qualquer outra entidade competente não proceda à limpeza dos percursos. Como alguns são menos conhecidos e têm menos afluência acabam por ser invadidos pela vegetação. Caso não seja feita devidamente a manutenção, os percursos correm o risco de serem intransitáveis.

Uma imagem vale por mil palavras: a altura da vegetação.

Mais abaixo um pinheiro caído em pleno caminho, mais um obstáculo!

Ultrapassados todos os obstáculos, chega-se a uma zona de soutos densos e sombrios.

Chegada ao lugar de Povos...

... de onde nos encaminhámos para a Forcada...

... por caminhos de acessos rurais.

Chegada à Forcada. Novamente um lugar e depois...

... campos...

... e bosques. Um percurso que alterna constantemente entre essas paisagens.

A vista sobre o vale de Arouca e sobre o monte da Srª da Mó a partir do lugar da Forcada. Pouco depois chegámos ao local de partida. Um passeio não muito difícil e aconselhável para quando querem caminhar sem apanhar muito sol. Pena mesmo foi mesmo o estado de conservação de uma parte do percurso (aproveitei as fotos para mandar um email à câmara municipal de Arouca e ao Posto de Turismo local a alertar para esse facto) e não haver um rio para tomar banho no fim do percurso.

Boas caminhadas

Darasola

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D