Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Por terras de Ucanha e Salzedas

por darasola, em 20.11.14

Mais uma caminhada, desta vez numa região completamente desconhecida : a região de Távora-Varosa. O objetivo era acima de tudo conhecer um exemplar único da arquitetura medieval em Portugal, a torre de Ucanha, uma torre fortificada construída na margem do rio Varosa, que servia como portagem para a entrada nas terras do couto de Salzedas. O percurso foi publicado na revista Itinerante no número dedicado ao enoturismo, pelo que bastou seguir as indicações da revista. O percurso levou-nos a descobrir outros locais fantásticos de interesse cultural e histórico, com especial destaque para o Mosteiro de Salzedas. O percurso leva-nos por entre bosques e imensos pomares com maçãs apetitosas a crescer nas árvores. Descobri também que é uma zona onde se cultiva o sabugueiro, em especial o seu fruto, principalmente para a exportação para Espanha. Existem pomares só de sabugueiro e eiras com o seu fruto negro a secar ao sol. Algo que nunca tinha visto noutros locais e que me despertou bastante a curiosidade, até ter a oportunidade de comprar um frasco de doce de sabugueiro, um delícia negra com um gosto particular, com o qual me regalei.

O percurso levou-nos a passar por duas pequenas capelas, quase perdidas no meio dos campos, por uma praia fluvial fantástica, pelo antigo burgo de Ucanha, pela antiga judiaria de Salzedas, etc., enfim vários pontos de interesse que uma caminhada nos permite desfrutar com tranquilidade.

Salzedas_Ucanha_01.JPG

O mosteiro de Salzedas

Salzedas_Ucanha_02.JPG

Salzedas_Ucanha_03.JPG

O interior apresenta algumas zonas bastante degradadas a pedir uma intervenção urgente.

Salzedas_Ucanha_04.JPG

Aspeto do cadeiral

Salzedas_Ucanha_05.JPG

Um exemplo de casario no centro de Salzedas.

Salzedas_Ucanha_06.JPG

A primeira de muitas eiras com o fruto do sabugueiro a secar ao sol.

Salzedas_Ucanha_07.JPG

A capela de S. Pedro, perdida no meio do vinhedo.

Salzedas_Ucanha_08.JPG

Passagem por uma pequena ponte rudimentar.

Salzedas_Ucanha_09.JPG

Outra capela perdida no meio dos campos.

Salzedas_Ucanha_10.JPG

Passagem pelo meio de campos férteis

Salzedas_Ucanha_11.JPG

Pelo caminho encontrámos várias setas amarelas. Ainda pensei que pudessem ser do traçado do caminho interior de Santiago, no entanto depois de confirmar pelo traçado disponível na net, acabou por não se confirmar.

Salzedas_Ucanha_12.JPG

A primeira perspetiva sobre Ucanha.

Salzedas_Ucanha_13.JPG

A torre medieval bem no centro da fotografia.

Salzedas_Ucanha_14.JPG

O trilho por entre muros e caminhos antigos.

Salzedas_Ucanha_15.JPG

Quase a chegar ao objetivo principal...

Salzedas_Ucanha_16.JPG

... não sem antes passar por esta agradável praia fluvial.

Salzedas_Ucanha_17.JPG

Um antigo moinho junto ao rio Varosa.

Salzedas_Ucanha_18.JPG

Aspeto do rio.

Salzedas_Ucanha_19.JPG

Finalmente, a chegada à ponte e torre medieval de Ucanha. A sua construção faz lembrar ligeiramente a ponte em Puente de la Reina, no caminho Francês de Santiago.

Salzedas_Ucanha_20.JPG

No interior da torre, numa das salas.

Salzedas_Ucanha_21.JPG

A vista para a ponte do alto da torre. Aqui ninguém passava sem pagar portagem! Um pouco as SCUT da época.

Salzedas_Ucanha_22.JPG

A sala do topo da torre.

Salzedas_Ucanha_23.JPG

A vista para a Igreja de Ucanha.

Salzedas_Ucanha_24.JPG

A rua principal que dá continuidade à passagem da ponte.

Salzedas_Ucanha_25.JPG

Salzedas_Ucanha_26.JPG

Pormenor da ponte.

Salzedas_Ucanha_27.JPG

Este era o que se via quando se atravessava a ponte.

Salzedas_Ucanha_28.JPG

Salzedas_Ucanha_29.JPG

Uma outra perspetiva da ponte e da torre.

Salzedas_Ucanha_30.JPG

A passagem desejada. Do outro lado da ponte encontra-se a Tasquinha do Matias, um ótimo local para almoçar e apreciar o cabrito local.

Salzedas_Ucanha_31.JPG

Saíndo de Ucanha

Salzedas_Ucanha_32.JPG

Igreja de S. João Evangelista

Salzedas_Ucanha_33.JPG

O burgo ainda preserva caraterísticas singelas de uma aldeia do interior de uma inegável beleza.

Salzedas_Ucanha_34.JPG

Mais uma pequena capela à saída da aldeia.

Salzedas_Ucanha_35.JPG

O pelourinho local.

Salzedas_Ucanha_36.JPG

O trilho da itinerante levou-nos para uma zona onde a progressão se tornou difícil. O caminho praticamente desapareceu com a vegetação e foi preciso andar a corta mato (literalmente) para seguir o trilho graças ao GPS.

Salzedas_Ucanha_37.JPG

Depois de passar por vários campos de vinhedo, avistamos novamente Salzedas e o seu mosteiro.

Salzedas_Ucanha_38.JPG

Ainda tivemos o prazer de descobrir a capela da Sra. da Piedade com o seu miradouro com uma vista privilegiada para Salzedas.

Salzedas_Ucanha_39.JPG

A chegada a Salzedas faz-se por uma calçada que aparenta ter algumas estações de uma via sacra.

Salzedas_Ucanha_40.JPG

A chegada ao mosteiro.

Salzedas_Ucanha_41.JPG

Encontramos esta placa sinalética referente a um trilho Cister Salzedas, infelizmente foi a única que vimos.

Salzedas_Ucanha_42.JPG

De novo no ponto de partida.

Salzedas_Ucanha_43.JPG

Ainda demos um salto ao antigo bairro da judiaria de Salzedas.

Salzedas_Ucanha_44.JPG

Uma zona muito danificada onde estão bem visíveis as soluções de recurso para evitar a queda das casas. Um restauro é urgente para evitar a ruína.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 9 km

Tempo: sem registo

Tipo: circular

Dureza física: 2/5

Dificuldade técnica: 1/5

Beleza do Percurso: 4/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso: Revista Itinerante

Outros sites de relevo: n/a 

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: Revista Itinerante

Ponto positivos: O mosteiro de Salzedas, A ponte e torre de Ucanha, a praia fluvial do Varosa, Capela e Miradouro da Sra. da Piedade

Pontos negativos: o facto de não ser ainda um PR oficial

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D