Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Torcal de Antequera - Andaluzia - Espanha

por darasola, em 11.02.18

Antequera fica bem perto da zona do Caminito del Rey e destaca-se pelas curiosas formações rochosas do Torcal de Antequera. Resumindo um pouco, esta curiosas rochas eram sedimentos do fundo marinho há 150 milhões de anos atrás, que se elevaram mais de 1300 m na Era Terciária para o atual nível. A erosão encarregou-se de esculpi-las e deu origem a estas verdadeiras obras de arte da natureza, que foram classificadas Património da Humanidade pela UNESCO em 2016. Existem vários percursos nesta paisagem protegida de acordo com a escolha de cada um. Optámos pelo percurso amarelo, um trilho simples e curto que nos permitiu explorar este labiríntico cárstico e maravilhar-nos com verdadeiras obras de arte da natureza.

Torcal_Antequera_01.JPG

Centro interpretativo do Torcal de Antequera, com visita interpretativa e um pequeno café/restaurante.

Torcal_Antequera_02.JPG

Início do trilho junto ao parque de estacionamento.

Torcal_Antequera_03.JPG

Painel do trilho da Ruta Amarilla.

Torcal_Antequera_04.JPG

O percurso está marcado com pequenas estacas coloridas e marcas pintadas na rocha. Mesmo assim, as rochas e a vegetação podem confundir-nos e levar-nos a perder o trilho.

Torcal_Antequera_05.JPG

Árvores verdes e árvores de pedra.

Torcal_Antequera_06.JPG

A paisagem é simplesmente fantástica, quase parece que estamos noutro planeta.

Torcal_Antequera_07.JPG

Torcal_Antequera_08.JPG

Um entroncamento de "senderos"

Torcal_Antequera_09.JPG

Algumas passagens são bastante estreitas. O solo é também muito irregular e as botas de caminhadas são obrigatórias.

Torcal_Antequera_10.JPG

O vale perdido.

Torcal_Antequera_11.JPG

Parece chaminés de pedra.

Torcal_Antequera_12.JPG

Os gigantes vigiam-nos.

Torcal_Antequera_13.JPG

A passagem é mesmo por ali e não convém ser muito largo para poder passar.

Torcal_Antequera_14.JPG

Conseguem ver o camelo de pedra?

Torcal_Antequera_15.JPG

É impossível perceber por onde andamos a trilhar esta planalto único.

Torcal_Antequera_16.JPG

Torcal_Antequera_17.JPG

Já perto do final, com o centro interpretativo à vista.

Torcal_Antequera_18.JPG

Linhas horizontais

Torcal_Antequera_19.JPG

Fim do percurso.

Torcal_Antequera_20.JPG

Ainda fizemos um pequeno desvio para o Mirador Las Ventanillas.

Torcal_Antequera_21.JPG

Chegada ao miradouro.

Torcal_Antequera_22.JPG

Painel explicativo dos fenómenos de erosão que esculpiram a paisagem.

Torcal_Antequera_23.JPG

A vista do miradouro. O dia tinha névoa no horizonte e não nos deixavam avistar Málaga e o Mediterrâneo.

Ficha técnica: 

Distância: 3 km

Tempo: 1 h

Tipo: circular

Dureza física: 1/5

Dificuldade técnica: 3/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: 4/5

Site oficial

Trilho GPX

Ponto positivos: paisagens e fenómenos rochosos

Pontos negativos: o piso é muito traiçoeiro sendo fácil tropeçar e cair. Olhar bem para onde se pisa é fundamental.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Caminito del Rey - Málaga - Espanha

por darasola, em 21.01.18

A história do Caminito del Rey é um pouco semelhante à da Ruta del Cares e está ligada à construção de acessos para a construção de uma central hidroelétrica num rio - neste caso o Guadalhorce - que atravessa um desfiladeiro. A sua construção fez-se entre 1901 e 1905 para permitir o transporte de materiais e circulação de operários na construção da barragem (entre 1914 e 1921). Em 1921, o rei espanhol Afonso XIII visitou o local para a inauguração da barragem Gaudalhorce-Guadalateba, o que acabou por dar origem ao nome "Caminito del Rey". O tempo encarregou-se de degradar a segurança das passarelas de cimento ao mesmo tempo que aguçava o apetite dos fãs de adrenalina e o epíteto de "caminho da morte" ou "caminho mais perigoso do mundo" começaram a cruzar as fronteiras. Ciente do interesse crescente e do valor turístico do local, a deputacion de Málaga iniciou obras de restauro em 2014 criando um "produto" turístico de destaque a nível internacional que abriu ao público em março 2015. Já ouvia falar do Caminito del Rey há vários anos, ainda do tempo em que o acesso tinha sido proibido devido às mortes que ocorreram. É claro que ficou sempre debaixo de olho e restava apenas aparecer uma oportunidade para ir até lá. Esteve para ser no verão 2016, mas acabou por ser no ano seguinte, até porque a entrada é paga e é necessário fazer a reserva antecipada através do site oficial (http://www.caminitodelrey.info). Não é nada fácil arranjar bilhete, pois aparece sempre tudo esgotado, mas lá se conseguiram bilhetes (Modo visita guiada).

Já agora ficam aqui os valores dos bilhetes:

Preços 2017/18): visita livre (10 € pax), visita com guia (18 € pax). Recomendo que comprem logo o bilhete de autocarro (1.55 € pax) junto com o bilhete da visita, pois o percurso é linear e existe um serviço oficial de shuttle para nos levar de volta à zona de partida.

O Caminito del Rey segue o curso do rio num percurso de 7,7 kms dos quais 4,8 kms são de acessos (caminhos em terra batida/rocha) e 2,9 kms pelos famosos passadiços suspensos. O percurso é simplesmente fantástico, com paisagens impressionantes e sempre com muita segurança, aliás, tudo é tão seguro e controlado que quase elimina a adrenalina. Penso que mesmo não deve haver qualquer problema para quem sofre de vertigens, pois existe sempre proteções laterais de segurança altas.

Caminito_01.JPG

O carro ficou junto à barragem do Conde de Guadalhorce.

Caminito_02.JPG

Atravessámos o paredão da barragem, com pormenores bem interessantes e água com um azul turquesa fascinante.

Caminito_03.JPG

O outro lado do paredão.

Caminito_04.JPG

Há 2 acessos para chegar ao início do percurso: por um trilho junto ao rio de 2,7 km...

Caminito_05.JPG

ou o acesso superior de 1,5 km cujo início se faz por um túnel. Optámos pela maneira mais original e mais curta por uma questão de gestão de tempo.

Caminito_06.JPG

Depois de passar o túnel, a vista sobre o vale do rio Guadalhorce.

Caminito_07.JPG

O trilho ainda passa por mais um túnel de acesso.

Caminito_08.JPG

Caminito_09.JPG

Chegados ao local da bilheteira, é necessário esperar pelo horário de entrada (cada bilhete tem hora de entrada marcada). São distribuídos capacetes a todos os visitantes e os intercomunicadores (apenas para as visitas guiadas) e iniciámos o percurso passando junto ao embalse de Gaitanejo e à antiga central.

Caminito_10.JPG

Caminito_11.JPG

Assim que o caminho faz a curva e avistamos o primeiro "cañon" - o desfiladeiro de Gaitanejo - ficamos impressionado pela paisagem por onde nos íamos aventurar.

Caminito_12.JPG

 Caminito_13.JPG

Para entrar na zona dos passadiços, passámos outra porta de segurança, por isso quem tiver ideias de se aventurar por conta própria pode desistir.

Caminito_14.JPG

No fundo do desfiladeiro, o rio, que mais parecia um ribeiro, corria calmamente e parecia incapaz da proeza de ter esculpido aquele caminho impressionante montanha adentro.

Caminito_16.JPG

Entramos finalmente nos famosos passadiços de madeira cravados na parede e suspensos nas alturas.

Caminito_15.JPG

O desfiladeiro alarga e deixa visível parte da conduta da água que abastecia a central.

Caminito_17.JPG

Olhando para trás.

Caminito_18.JPG

O percurso segue por cima do muro da antiga conduta de água (à direita).

Caminito_19.JPG

O passadiço zizagueia ligeiramente para vencer o desnível nesta zona.

Caminito_20.JPG

O desnível visível com os dois níveis de passadiços.

Caminito_21.JPG

Caminito_22.JPG

Do outro lado do vale, a linha de comboio (em funcionamento) perde-se nas entranhas da montanha.

Caminito_23.JPG

Mais à frente na zona do Tajo de las palombas, encontramos um pequena ponte bastante degradada que terá sido usada pelo rei Afonso XIII para terminar a sua visita ao Caminito. Segundo a guia que orientou o grupo onde estávamos, o rei nunca terá percorrido a totalidade do percurso. Atravessou ali o vale para entrar no comboio que o esperava para regressar aos seus aposentos reais.

Caminito_24.JPG

Entrámos então no Valle del Hoyo, um vale amplo com vegetação típica das montanhas em zona mediterrânica. 

Caminito_25.JPG

As sombras foram bem-vindas.

Caminito_26.JPG

Caminito_28.JPG

Seguindo junto à antiga conduta.

Caminito_29.JPG

Começamos então a avistar a entrada do último e mais impressionante desfiladeiro do Caminito: o Desfiladero de los Gaitanes.

Caminito_30.jpg

Os caminheiros pareciam dirigir-se para a boca de um gigante.

Caminito_31.JPG

O percurso chega mesmo a seguir pela própria conduta da água.

Caminito_32.JPG

A entrada de uma gruta foi tapada e serve de refúgio a espécies locais de morcegos.

Caminito_33.JPG

Olhando para trás, para a entrada do novo passadiço.

Caminito_34.JPG

Do outro lado do vale, a secção visível por onde espreita a linha de comboio impressiona e leva-nos a pensar no esforço necessário para furar a montanha com a tecnologia existente na altura (Séc. XIX).

Caminito_35.JPG

Na escarpada parede é bem visível a sobreposição do passadiço de cimento original com o novo passadiço por cima.

Caminito_36.JPG

Conseguem ver a pessoa no miradouro de chão de vidro sobre o vazio?

Caminito_37.JPG

Passadiço sobre passadiço. É impressionante!

Caminito_38.JPG

Nalgumas secções do passadiço, consegue-se ver perfeitamente partes do caminho antigo que ruíram.

Caminito_39.JPG

Vidas suspensas nas alturas.

Caminito_40.JPG

Existe uma cavidade na parede que permite ver o Caminito em lados opostos. Na outra margem do rio, o túnel por onde passa o comboio.

Caminito_41.jpg

Já perto do final da zona dos passadiços, encontramos uma estrutura que parece uma ponte, mas na verdade trata-se da travessia da conduta de água na ponte-aqueduto de Ribera.

Caminito_42.JPG

A foto cria a ilusão de que as pessoas estão a passar por cima do aqueduto, mas não.

Caminito_43.jpg

Foi criada um ponte suspensa mesmo ao lado do aqueduto e é por aí que se faz a passagem para a parede oposta, 35 m de um lado ao outro.

Caminito_44.jpg

A ponte suspensa abana um pouco e o fundo metálico permite ver o rio a correr beemmmm lá ao fundo, pois estamos a 105 m de altura.

Caminito_45.JPG

Na outra parede, o Caminito continua cravado na rocha suspenso bem alto acima do solo.

Caminito_46.jpg

Caminito_47.jpg

Acabamos por sair do desfiladeiro...

Caminito_48.JPG

... e seguir pela parede fora em direção à linha férrea.

Caminito_50.jpg

Caminito_53.jpg

Uma autêntica gaiola metálica.

Caminito_51.jpg

Caminito_52.jpg

Passámos por cima da linha de comboio.

Caminito_54.jpg

Caminito_55.jpg

À medida que nos vamos afastado da montanha, percebemos realmente a proeza que foi construir aquele passadiço suspenso na parede.

Caminito_57.jpg

Mal se consegue perceber onde estão as pessoas ao longo do passadiço.

Caminito_58.jpg

Quanto mais nos afastamos, mais temos a noção do quanto a montanha é imponente.

Caminito_56.jpg

O caminho leva-nos a alcançar cerca de 2 km depois a localidade de El Chorro. Antes de chegar lá, encontramos uma casa que marca o fim do percurso e onde deixamos os capacetes das visitas. Em El Chorro, existe uma estação de comboio, que pode ser uma alternativa para se deslocar até ao Caminito, e bem perto a paragem dos autocarros onde estava o shuttle que nos levaria de regresso à zona da partida.

 

Ficha técnica: 

Distância: 7,7 km

Tempo: 4 h

Tipo: linear

Dureza física: 1/5

Dificuldade técnica: 1/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso

Ponto positivos: paisagens e vistas ao longo do percurso

Pontos negativos: nada a assinalar

Nota: Está em construção um centro de acolhimento ao visitante que à data de hoje (Janeiro 2018) está concluído (o edifício) mas que ainda não foi inaugurado. No futuro, será provavelmente o melhor local para se dirigir em busca de informação (Coordenadas N 36º 54.919 W 004º 48.434)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D