Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Tal como referido no post anterior, as Cies são um pequeno arquipélago ao largo de Vigo, que pertence ao Parque Nacional das Ilhas Atlânticas, que integra várias ilhas das Rias Bajas (Cies, Ons, Sálvora e Cortegada). São muitas vezes referenciadas como as Seychelles galegas e são constituídas por três ilhas – Monteagudo (ou Norte), O Farol e San Martiño. As 2 primeiras estão unidas por um longo areal, a praia de Rodas, considerada a melhor praia do mundo pelo diário inglês The Guardian (2007).

Os quatro percursos lineares ali existentes são os seguintes:

  1. Faro de Cies (3.5 km);
  2. Faro da Porta (2.6 km);
  3. Alto do príncipe (1.7 km);
  4. Faro do Peito (2.8 km).

Depois de ter percorrido os dois primeiros trilhos no dia anterior, restava-nos descobrir a ilha norte (Monteagudo).

Partida do parque de campismo e travessia da ligação entre as ilhas.

Vista para trás, para a ilha do farol e o parque de campismo.

Planta do arquipélago logo à saída do barco.

Placas informativas.

Aspeto do caminho inicial.

Pequeno desvio até ao areal da praia de Figueiras (ou dos alemães).

Aqui encontramos muito eucalipto.

Pequeno desvio em direção ao Alto do príncipe.

Deixamos o alto do príncipe para o regresse e seguimos em direção ao Faro do Peito.

Num desvio até uma das áreas de trabalho, descobrimos esta estranha construção que se parece com um forno, no qual está esculpida uma vieira em pedra, lembrando o caminho de Santiago.

Seguimos o trilho até ao observatório das aves.

Pelo caminho, encontrámos uma área com vestígios de edifícios, agora completamente em ruínas.

Binoculos e farol. Mais simples não podia ser...

O observatório para estar suspeso no vazio, felizmente é apenas uma ilusão devido à perspetiva.

Regressamos à bifurcação para seguir agora até ao farol.

O farol é mais um farolim que ilumina a ponta norte da ilha do Monteagudo.

Regressando.

Voltamos a bifurcação que nos levava ao alto do príncipe e seguimos até ao local referenciado, onde fomos premiados com esta vista fantástica para sul.

A cadeira da rainha, uma estranho formação rochosa que mais parece um trono feito à medida.

A vista sobre a ligação das ilhas, o lago, o parque de campismo e a praia de Rodas.

No regresso, voltamos pela praia

E claro que não resistimos a ficar por ali...

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 10 km

Tempo: 2h30 +/-

Tipo: corresponde a dois percursos lineares

Dureza física:

Dificuldade técnica:

Beleza do Percurso:

Marcação: inexistentes, visto que não é um percurso marcado

Informações sobre o percurso: indisponível

Outros sites de relevo: http://ilhascies.com

Panfleto oficial: indisponível

Trilho GPX: aqui (um registo que não é meu, mas que corresponde aproximadamente ao que foi feito.

Ponto positivos: a beleza das paisagens e praia

Pontos negativos: n/a

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já tinha ouvido falar de forma bastante positiva das ilhas Cies, um pequeno arquipélago ao largo de Vigo, que pertence ao Parque Nacional das Ilhas Atlânticas, que integra várias ilhas das Rias Bajas (Cies, Ons, Sálvora e Cortegada). São muitas vezes referenciadas como as Seychelles galegas e são constituídas por três ilhas – Monteagudo (ou Norte), O Farol e San Martiño. As duas primeiras estão unidas por um longo areal, a praia de Rodas, considerada a melhor praia do mundo pelo diário inglês The Guardian (2007). A ilha de San Martiño está separada das outras pelos 500 metros de largura do canal Freu da Porta. A superfície total é de 434 hectares, o perímetro costeiro de 24 quilómetros e o comprimento próximo dos 9 quilómetros. (dados aqui) A sua localização, mesmo na entrada da ria de Vigo, acaba por ser um ponto estratégico para o controlo da zona, pelo que a sua história acabou por estar ligada a figuras históricas como o pirata inglês Francis Drake. Durante a Idade Média, o arquipélago viu ser construído o Mosteiro de São Estêvão e hoje em dia são um local procurado por muitos turistas no verão, sendo que é a única altura do ano em que é permitido ir até lá.

Fizemos como os outros e pusemo-nos a caminho desta beleza natural e confesso que não ficamos nada desiludidos, antes pelo contrário.

Como não poderia deixar de ser, para além de aproveitarmos as fantásticas praias, também procuramos descobrir os trilhos existentes. São quatro os percursos lineares ali existentes:

  1. Faro de Cies (3.5 km);
  2. Faro da Porta (2.6 km);
  3. Alto do príncipe (1.7 km);
  4. Faro do Peito (2.8 km).

Como se vê pelos nomes, a maior parte do percursos são simples caminhos de ligação aos locais onde se situam os faróis / farolins, mas nem assim os trilhos perdem o seu encanto. Este post diz respeito aos dois primeiros trilhos, que podem ser facilmente ligados, tal como fizemos. Optamos por seguir pelo percurso do Faro da Porta e apanhar o troço que o liga ao caminho do Faro de Cies, que nos levou até ao ponto mais alto da ilha do meio. Junto ao farol, pudemos apreciar uma vista fantástica sobre as restantes ilhas, sobre o cabo Silleiro.

Pontão de ligação entre a ilha do Monte Agudo (Norte) à do Monte Faro (meio).

Ao passar o pontão, temos de lado as agruras do Atlântico e do outro, uma lagoa natural (onde é proibido tomar banho pois trata-se de uma reserva para as espécies naturais ali existentes).

Depois de passarmos o parque de campismo, seguimos pelo caminho para sul.

Passagem pelo antigo Mosteiro de São Estêvão, agora convertido em posto de informações turísticas.

Bifurcação que divide os dois caminhos: Faro da Porta à esquerda, Faro das Cies à direita. Seguimos pela esquerda.

Logo adiante ficamos maravilhados com a Praia da Nossa Senhora.

Aguas azul turquesa, areia branca, parecia mesmo um destino tropical, destoando apenas pela temperatura da água.

O faro da Porta já à vista.

Rapidamente chegámos ao termino deste trilho, junto a este farolim.

Vista para a Ilha de São Martinho (Sul).

Regressámos pelo mesmo caminho, mas antes de passarmos de novo pela praia, encontramos um caminho que nos levou até ao trilho do Faro de Cies. O destino era mesmo aquele alto onde se encontra o farol, a 175m acima do nível do mar.

Aspeto do trilho de ligação dos percursos. Upa, upa, que aquilo sobe!

Chegámos então ao percurso superior e bastou seguirmos até ao farol.

Bastou... mas não é assim tão simples. A última parte em ziguezague é o último obstáculo antes de alcançar o destino.

Lá em baixo, o faro da Porta, onde tinhamos estado.

Início do ziguezague.

O Farol da Cies.

Vista para sul, onde se destaca a ilha de São Martinho e a costa atlântica com o cabo Silleiro.

Painel informativo sobre as vistas.

Uma última vista e toca a descer pelo mesmo caminho.

Ainda fizemos um pequeno desvio para conhecer a pedra da Campa, uma formação geológica peculiar e um observatório de aves.

A pedra de Campa possui um enorme orifício no seu meio.

O observatório de aves. Refira-se que as gaivotas estão omnipresentes em toda a ilha e é proibido sair dos trilhos, bem como perturbar a sua tranquilidade.

A vista a partir do observatório.

Do lado oposto, o enorme areal da Praia de Roda.

Voltamos ao trilho do Faro de Cies e seguimos então em direção ao parque de campismo e à praia.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 8 km

Tempo: 2h +/-

Tipo: circular na nossa versão, mas corresponde a dois percursos lineares

Dureza física:

Dificuldade técnica:

Beleza do Percurso:

Marcação: inexistentes, visto que não é um percurso marcado

Informações sobre o percurso: indisponível

Outros sites de relevo: http://ilhascies.com

Panfleto oficial: indisponível

Trilho GPX: aqui (um registo que não é meu, mas que corresponde aproximadamente ao que foi feito.

 

Ponto positivos: a beleza das paisagens e praia, a subida ao alto do farol com a paisagem em redor.

Pontos negativos: n/a

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D