Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Esta caminhada foi delineada com base numa sugestão da revista itinerante, na sua edição das maravilhas naturais de Portugal, que falava numa rota de miradouros em redor da lagoa das sete cidades. O percurso é tecnicamente muito simples, pois basta circundar as lagoas pelos caminhos da cumeada. O "esqueleto" deste trajeto assenta em dois percursos pedestres locais: o PR3SMI (Vista do Rei - Sete Cidades) e o PR4SMI (Mata do Canário - Sete Cidades) mas é necessário efetuar uma ligação por estrada entre o início de um e o final do outro. O dia começou muito bonito, mas à medida que nos deslocávamos até à zona da cratera, a nebulosidade ia aumentando, o que não agourava nada de bom. Acabamos por iniciar o percurso junto ao famoso miradouro do rei. Ficamos impressionados pela negativa com a quantidade de carros no local e sua falta de ordenamento (é um salve-se quem puder para estacionar), mas mais ainda com o enorme mamarracho do hotel abandonado ali ao lado. Não se percebe como puderam construir um edifício daquele tamanho num local tão especial como este. O seu aspeto abandonado são um cancro para a beleza do local e não se percebe como não foi ainda demolido. Depois dos registos fotográficos da praxe iniciámos o percurso pelo caminho que mais não do que um estradão de terra batida por onde passam carros (até passa ali o rally dos Açores!!!). Não gostei muito da convivência com os carros que nos iam fazendo companhia. Mesmo andando relativamente devagar devido ao piso de terra, acabava por ser incómodo e uma preocupação desnecessária. Felizmente, as vistas eram motivo suficiente para nos fazer esquecer esse incómodo, mas até aí não tivemos a sorte esperada. Depois de percorrer cerca de 1/4 do percurso, a bruma instalou-se, impedindo-nos de desfrutar em pleno deste trajeto. Pouco depois, a chuva surgiu e finalmente, foi com um vento forte e desagradável que passámos na zona do Pico da Cruz, junto radar da NAV. Felizmente, o mau tempo acalmou e pudemos fazer a ligação entre trilhos sem chuva. Gostava de poder dizer mais sobre as vistas, mas pelo relato anterior, deu para perceber que não tivemos muita sorte, mas não foi um passeio em vão, antes pelo contrário! E o banho revigorante nas águas quentes da Ferraria ajudaram a recuperar das mazelas dos 21 km em círculo.

Ficam as fotos

A vista a partir do miradouro do rei.

Painel em azulejo no local.

Outro painel leitor da paisagem.

Painel informativo que marca o início do PR3SMI.

O aspeto do trilho que mais não é do que um estradão de terra batida.

As hortênsias a ladearem o caminho davam um encanto tipicamente açoreano.

Vista para a costa oeste da ilha.

A vista para o interior da cratera.

O nevoeiro a surgir.

... e a engolir o resto da paisagem.

Hortênsia

A vista para um curioso cemitério no interior da cratera.

Cruzamento perto do miradouro da Lomba do Vasco.

Seguimos pela berma da estrada durante umas centenas de metros. Achei esta zona algo perigosa para fazê-lo, no entanto trata-se do traçado do PR3SMI.

Nalgumas zonas dava para seguir pelo talude de terra, mas noutras tínhamos mesmo de ir pela valeta de cimento ou pelo alcatrão.

Mais adiante, abandonamos a estrada e o PR3SMI para apanhar um corte à esquerda que nos levaria novamente a um estradão de terra batida.

A partir daqui o nevoeiro, o vento e a chuva miúda não pararam mais.

Este deveria ser o miradouro de Santa Bárbara de onde se pode apreciar a vista oposta à do miradouro da Vista do Rei. Infelizmente, o mau tempo não permitiu.

Encontramos uma zona em piso de cimento, junto ao Pico da Cruz, o ponto mais elevado da cumeada em redor da caldeira da lagoa das sete cidades.

Alcançámos então então uma zona de bosques, em que uma parte parecia ter sido varrida por uma tempestade. Todas as árvores estavam cortadas e os lenhadores ainda ali trabalhavam para as retirarem.

Chegámos então à zona mais densa, onde o nevoeiro deu um ar fantasmagórico à paisagem.

Chega-se então junto às ruínas de um antigo aqueduto - conhecido como o muro das nove janelas - que serviu em tempos para levar água para Ponta Delgada.

O aqueduto entre o nevoeiro.

Encontrámos o ponto de partida do PR4SMI.

Depois de seguirmos por estrada, voltámos a encontrar a vista para a cratera e fomos presenteados com um belo arco íris.

Seguindo por estada.

Chegada ao miradouro do rei, onde o 1º impacto é este que se pode ver na foto: um enorme edifício em ruínas.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 21 km

Tempo: 4 h (+/-)

Tipo: circular

Dureza física:

Dificuldade técnica:

Beleza do Percurso:

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso: www.itinerante.pt

Outros sites de relevo:

Panfleto oficial: PR3SMI aqui e PR4SMI aqui

Trilho GPX: Wikiloc do darasola

Ponto positivos: a beleza do trilho e as vistas dos miradouros (se o tempo permitir)

Pontos negativos: o facto de parte do percurso ser feito ao longo da estrada e a chuva miudinha que nos acompanhou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lagoa das Furnas [S. Miguel - Açores]

por darasola, em 01.11.13

Continuando o périplo pelos Açores, um dos locais a visitar é a Lagoa das Furnas! A curiosidade de ver onde e como se faz o famoso cozido à portuguesa das furnas que, para quem não sabe, é cozido pelo calor da própria terra, leva centenas de pessoas a este local único. São inúmeros os turistas que chegam ao local pouco antes do meio-dia, por ser aí a altura certa para ver os funcionários dos restaurantes locais a retirar as enormes panelas de buracos fumegantes. O desvio vale obviamente a pena para ver tão singela manifestação geotérmica e o seu aproveitamento único, mas obviamente que não queria ficar por ali. Decidi aproveitar o percurso local - PRC6SMI - como base para uma caminhada em redor de mais uma lagoa. Esse percurso marcado faz um desvio até ao centro da vila das Furnas, passando junto ao Parque Terra Nostra, mas optámos por fazer apenas a parte que dá a volta à lagoa. Apenas fizemos um pequeno desvio por um caminho que parecia levar-nos numa viagem no tempo até ao período dos dinossauros, para visitar um antigo casarão em ruínas. Voltando ao trilho inicial acabamos por descobrir locais de grande interesse como o centro de monitorização e investigação das Furnas, os seus curiosos edifícios e as árvores estátuas, uma das maiores araucárias do mundo e a Ermida de Nossa Senhora das Vitórias que parece caída do céu com a sua arquitetura gótica do Séc. XIX.

A magnífica lagoa das Furnas.

O locais das caldeiras onde se confecciona o afamado cozido das Furnas.

As fumarolas com as suas nuvens de vapor servem de chamariz para toda a gente.

Os monticulos cobrem cada um dos buracos usados para albergar duas panelas grandes bem recheadas de iguarias.

O momento da retirada do cozido.

Antes ...

... e depois.

A vista sobre a lagoa a partir da zona das caldeiras.

Parque de merendas

Um habitante do local.

Seguimos então o trilho e as marcações do PR que nos levam ao longo da margem...

... com direito a travessia improvisada. A chuva miudinha dos Açores brindou-nos com a sua presença, sem incomodar muito.

As imponentes árvores que ladeavam o trilho.

Seguimos então por um pequeno trilho que se desvia do percurso marcado...

e nos levou a um local com uma vegetação luxuriante.

Este trilho é de uma beleza fabulosa.

O casarão abandonado que era o destino do desvio.

A construção, apesar de estar profundamente arruinada, continua a ser imponente e revelar a beleza que em tempos terá tido.

A vegetação tomou conta do lugar e vê-se as raizes das árvores a cobrir e trepar pelas paredes. Fantástico!

De regresso ao trilho original, seguindo os ponteiros do relógio à volta da lagoa.

O nevoeiro começou a cobrir as águas da lagoa. Só faltava surgir um monstro tal o do Loch Ness.

Marcação do percurso.

Morangos silvestres ao longo do percurso.

Aspeto do trilho.

Um portão de uma quinta local bem original.

Uma floresta de bambus.

Chegamos a uma zona onde o caminho de terra batida passa a calçada portuguesa.

Encontrámos então uma série de troncos secos que, em vez de serem simplesmente cortados, tinham sido transformados em esculturas muito originais.

Estranho edifício...

Um baloiço no meio da chuva.

Sinalética para uma das maiores araucárias do mundo.

Cá está ela. Nem cabia na máquina.

Mais uma escultura.

Fiquei a saber que se tratava do centro de monitorização e investigação das Furnas.

Os edifícios têm uma arquitetura moderna e que faz lembrar um vulcão.

Chegada à Ermida de Nossa Senhora das Vitórias.

A sua construção gótica nada tem a ver com as outras construções religiosas que se pode ver em toda a ilha.

continuação do percurso...

Mais outra estátua.

De referir que o acesso a esta zona é limitado à circulação automóvel. Aqui, chegamos ao cruzamento com a estrada de acesso às lagoas.

Seguimos então ao longo da estrada, sempre em segurança pela margem.

A vista para a Ermida de Nossa Senhora das Vitórias que ia desaparecendo com a bruma.

Um pequeno cais / ancoradouro de pedra na margem da lagoa.

Passando junto ao corte para Lagoa Seca. O PR original segue por ali, no entanto optamos por seguir em frente até ao ponto de partida.

Chegada ao cruzamento de acesso às caldeiras.

Painel de azulejo com informações sobre a Lagoa das Furnas.

Uma curiosa marcação em azulejo do caminho certo do percurso pedestre com um símbolo e uma mensagem dos Açores.

Neste local, podíamos ver a água a borbulhar, sinal de que a atividade vulcânica não se faz sentir apenas no local das caldeiras, mas existe em redor. Por sinal, o estacionamento junto às caldeiras tem fumarolas em pleno pavimento de alcatrão.

Chegada ao ponto de partida, junto às caldeiras da Furnas.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 7,5 km

Tempo: 2h30 +/- (contando com paragens para fotos e contemplação e incluindo o desvio até ao casarão abandonado)

Tipo: circular

Dureza física:

Dificuldade técnica:

Beleza do Percurso:

Marcação: (bem marcado na parte correspondente ao percurso oficial)

Informações sobre o percurso: www.trails-azores.com

Outros sites de relevo:

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: wikiloc darasola

Ponto positivos: a beleza natural de todo o cenário, a singularidade do cozido feito pelo calor da terra, a Ermida de Nossa Senhora das Vitórias, a vegetação e a lagoa

Pontos negativos: n/a (a não ser a chuva miudinha que nos acompanhou e o nevoeiro)

 

Boas caminhadas

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D