Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Não é todos os dias que se faz uma caminhada numa paisagem classificada como património da humanidade pela UNESCO desde 2004, mas quem vier à ilha do Pico conhecer a zona das vinhas da Criação Velha pode fazê-lo. A paisagem impressiona  não só pelo seu aspeto único, onde os pés de videira se escondem por entre muros de pedra negra, mas também por pensarmos na tarefa hercúlea que deve ter sido a construção de todos estes muros. Milhares e milhares de quadrados, chamados currais, protegem a vinha do vento e ajudam ao amadurecimento das uvas pelo calor acumulado nas rochas negras de basalto. Este trilho linear faz-se praticamente ao longo da costa oeste da ilha, com vista para a ilha vizinha do Faia. Decorre em parte pela beira da estrada e outra por caminhos rurais entre as vinhas. Um dos pontos de destaque é a passagem pelo moinho do frade, um edifício classificado e devidamente restaurado, cuja cor vermelha se destaca no meio dos muros negros.

azores_pico_criacao_velha_01.JPG

Painel informativo sobre os locais de interesse ao longo do percurso.

azores_pico_criacao_velha_02.JPG

Começamos na parte mais próxima da vila da Madalena, a zona conhecida como Areias largas.

azores_pico_criacao_velha_03.JPG

Os rola-pipas são locais de acesso ao mar por onde as pipas de vinha eram empurradas para poderem ser embarcadas nos barcos.

azores_pico_criacao_velha_04.JPG

azores_pico_criacao_velha_05.JPG

Aspeto de um rola-pipas.

azores_pico_criacao_velha_06.JPG

azores_pico_criacao_velha_07.JPG

Quase nem se veem as vinhas no meio de tanta pedra.

azores_pico_criacao_velha_08.JPG

Chegada ao famoso moinho do frade que surge em tantas fotografias da ilha.

azores_pico_criacao_velha_09.JPG

azores_pico_criacao_velha_10.JPG

A vista do alto do moinho para a costa e a vizinha ilha do Faial.

azores_pico_criacao_velha_11.JPG

Placa a assinalar a classificação da paisagem como património da humanidade.

azores_pico_criacao_velha_12.JPG

Um mar negro e verde

azores_pico_criacao_velha_13.JPG

A paisagem tem tanto de único como de belo.

azores_pico_criacao_velha_14.JPG

Marca do PR em destaque no colorido da paisagem.

azores_pico_criacao_velha_15.JPG

azores_pico_criacao_velha_16.JPG

Vista da janela

azores_pico_criacao_velha_17.JPG

azores_pico_criacao_velha_18.JPG

azores_pico_criacao_velha_19.JPG

Passagem por um pequeno caminho entre muros quase a perder de vista.

azores_pico_criacao_velha_21.JPG

azores_pico_criacao_velha_22.JPG

azores_pico_criacao_velha_23.JPG

Um dos barracões de apoio com a porta vermelha.

azores_pico_criacao_velha_24.JPG

azores_pico_criacao_velha_25.JPG

Uma sinalética única para este PR.

azores_pico_criacao_velha_26.JPG

As relheiras são locais de passagem dos carros puxados pelos bois, cujo rasto das rodas ficou marcado no chão de pedra.

azores_pico_criacao_velha_27.JPG

As relheiras são bem visíveis na foto acima.

azores_pico_criacao_velha_28.JPG

azores_pico_criacao_velha_29.JPG

Chegada à zona balnear da Laja das Rosas.

azores_pico_criacao_velha_31.JPG

A piscina natural...

azores_pico_criacao_velha_32.JPG

... com vista para o Faial.

azores_pico_criacao_velha_33.JPG

Seguimos por este "caminho" que se fez estrada.

azores_pico_criacao_velha_34.JPG

O estado das uvas na altura da caminhada.

azores_pico_criacao_velha_35.JPG

azores_pico_criacao_velha_36.JPG

 

azores_pico_criacao_velha_37.JPG

azores_pico_criacao_velha_38.JPG

Chegada à pequena localidade de Calhau.

azores_pico_criacao_velha_39.JPG

Vista para o Faial e a cidade da Horta.

azores_pico_criacao_velha_40.JPG

Uma bela casa

azores_pico_criacao_velha_41.JPG

Em vários locais da ilha do Pico é possível encontrar poços de marés. O acesso a água doce no Pico nem sempre foi fácil e uma das soluções eram estes poços de marés, cujas águas eram menos salinizadas e permitiam suprir as necessidades.

azores_pico_criacao_velha_42.JPG

azores_pico_criacao_velha_43.JPG

Vista para a baía do porto do Calhau. O nome não poderia estar melhor escolhido.

azores_pico_criacao_velha_44.JPG

Painel do início do percurso.

azores_pico_criacao_velha_45.JPG

azores_pico_criacao_velha_46.JPG

azores_pico_criacao_velha_47.JPG

O regresso fez-se pelo mesmo caminho pelo que acabamos com cerca de 16 km no total.

azores_pico_criacao_velha_48.JPG

azores_pico_criacao_velha_49.JPG

Boas caminhadas

darasola

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pela Arriba fóssil de Esposende

por darasola, em 15.12.15

A descoberta da Arriba Fóssil de Esposende e do monte do Castro de S. Lourenço eram dois locais que pretendia conhecer há bastante tempo. A oportunidade surgiu com os amigos do Andar.cc, que usaram como base o percurso "Pela arriba fóssil: da Senhora da Guia ao Monte de Faro" para delinear um percurso feito no sentido contrário a esse. Assim, começámos na zona de Palmeira de Faro, subindo ao monte de Faro e ao seu miradouro natural, percorrendo o alto desse monte até ao Castro de S. Lourenço. Fizemos o desvio até ao Dólmen de Portelagem. Seguimos até ao Miradouro da capela da Sra da Paz e finalmente alcançamos o santuário da Sra da Guia. O percurso vale pelas vistas e pelos pontos de interesse, que o tornam muito interessante. Menos interessante é o facto de praticamente todo o percurso fazer-se em trilhos florestais pelo meio de eucaliptos. Se não tivermos este facto em conta, os locais que descobrimos e as fantásticas vistas sobre o litoral norte, tornam-no um dos mais bonitos desta zona.

Arriba_Fossil_Esposende_01.JPG

Ponto de partida em Palmeira de Faro

Arriba_Fossil_Esposende_02.JPG

Painel informativo no início do percurso

Arriba_Fossil_Esposende_03.JPG

Arriba_Fossil_Esposende_04.JPG

O início da subida

Arriba_Fossil_Esposende_07.JPG

Aspeto do trilho

Arriba_Fossil_Esposende_05.JPG

Esta vertente da serra não tem vegetação alta e permite apreciar as vistas.

SAM_6976.JPG

 O miradouro natural no alto do monte de Faro, junto às antenas de telecomunicações.

Arriba_Fossil_Esposende_06.JPG

A vista para o litoral a sul, com os prédios da Póvoa de Varzim no horizonte.

Arriba_Fossil_Esposende_08.JPG

A vista para Esposende, a foz do rio Cávado e as torres de Ofir em destaque.

Arriba_Fossil_Esposende_09.JPG

O percurso faz-se então pelo alto da serra em zonas praticamente planas.

Arriba_Fossil_Esposende_10.JPG

As chuvadas recentes tinham deixado marcas.

Arriba_Fossil_Esposende_11.JPG

Arriba_Fossil_Esposende_12.JPG

Foram aparecendo alguns sinais do PR5 que serviu de base ao percurso.

Arriba_Fossil_Esposende_13.JPG

Passagem sobre a A28.

Arriba_Fossil_Esposende_14.JPG

Chegada à entrada da área do Castro de S. Lourenço.

Arriba_Fossil_Esposende_15.JPG

Um coreto junto ao centro interpretativo do castro.

Arriba_Fossil_Esposende_16.JPG

Mapa topográfico da zona.

Arriba_Fossil_Esposende_17.JPG

Uma das zonas dos vestígios habitacionais do castro.

Arriba_Fossil_Esposende_18.JPG

Uma das casas restauradas.

Arriba_Fossil_Esposende_19.JPG

Vistas de cima, caraterizam-se pela sua forma redonda e pelo telhado em palha.

Arriba_Fossil_Esposende_20.JPG

Logo ao lado fica a capela de S. Lourenço...

Arriba_Fossil_Esposende_21.JPG

... e a sua escadaria.

Arriba_Fossil_Esposende_22.JPG

A capela é muito particular pela sua forma e torre sineira.

SAM_7054.JPG

Vista a partir do local

SAM_7062.JPG

Foto do animado grupo do Andar.cc

Arriba_Fossil_Esposende_23.JPG

Regressando pela zona das cabanas.

Arriba_Fossil_Esposende_24.JPG

Outra área de vestígios por onde passámos.

Arriba_Fossil_Esposende_25.JPG

Um ponto de observação.

Arriba_Fossil_Esposende_26.JPG

Um lago para atravessar.

Arriba_Fossil_Esposende_27.JPG

Mais um ponto de interesse: o dólmen da Portelagem.

Arriba_Fossil_Esposende_28.JPG

Arriba_Fossil_Esposende_29.JPG

Seguimos junto à A28.

Arriba_Fossil_Esposende_30.JPG

Subindo até ao alto da capela da Sra da Paz.

Arriba_Fossil_Esposende_31.JPG

Capela da Sra da Paz.

Arriba_Fossil_Esposende_32.JPG

A capela, a envolvente e a vista sobre a costa.

Arriba_Fossil_Esposende_33.JPG

O percurso passa então a uma zona de vegetação mais rasteira, onde os eucaliptos dão umas tréguas.

Arriba_Fossil_Esposende_34.JPG

E entramos numa via sacra, com as suas várias capelas ao longo da estrada.

Arriba_Fossil_Esposende_35.JPG

Sinalética rudimentar dos percursos da zona.

Arriba_Fossil_Esposende_36.JPG

Chegada à zona do miradouro da Sra da Guia.

Arriba_Fossil_Esposende_37.JPG

A capela da Sra da Guia.

Arriba_Fossil_Esposende_38.JPG

Arriba_Fossil_Esposende_39.JPG

Arriba_Fossil_Esposende_40.JPG

Escadas...

Arriba_Fossil_Esposende_42.JPG

... e mais escadas.

Arriba_Fossil_Esposende_41.JPG

Uma fonte refrescante.

Arriba_Fossil_Esposende_43.JPG

Ao fundo da enorme escadaria com a capela e o santuário no alto.

Arriba_Fossil_Esposende_44.JPG

Umas represas no fundo da descida.

Arriba_Fossil_Esposende_45.JPG

Igreja Matriz de Belinho, onde terminamos o percurso, com a arriba em pano de fundo.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 16km

Tempo: 5h30 (+/- com paragens para fotos e almoço)

Tipo: linear

Dureza física: 3/5

Dificuldade técnica: 2/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso: Esposende2000

Outros sites de relevo: aqui

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: Wikiloc darasola

Ponto positivos: as vistas dos miradouros naturais sobre a costa, os locais de interesse histórico e arqueológico como o Monte de Faro, o castro de S. Lourenço e a capela, a Capela da Sra da Paz, o Santuário da Sra da Guia

Pontos negativos: nada de especial

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D