Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Açores - Pico - Subida do vulcão do Pico

por darasola, em 03.05.17

O objetivo principal da visita ao grupo central dos Açores era a subida ao topo do vulcão do Pico. Com 2351 m de altitude, constitui o ponto mais alto do território português e é um "must do" para qualquer amante de caminhadas. A montanha está omnipresente em qualquer ponto da ilha, e até mesmo das ilhas vizinhas do Faial e de S. Jorge, e torna-se um companheiro de viagem, servindo de ponto de referência. Na verdade, a conquista da montanha não é propriamente um passeio, pois dada a dificuldade da subida acaba por ser mais do que uma simples caminhada e está quase no patamar da escalada/montanhismo.

A primeira questão é a da meteorologia: será que o tempo vai estar favorável à subida? Será que vai estar "fechado" e não será permitida a subida? Apesar do trilho estar identificado por estacas ao longo de todo o percurso, se a visibilidade for reduzida é muito fácil perder e sair do trilho, daí a interdição de subida. Foi então o nosso primeiro receio. No dia da chegada ao Faial, apenas conseguimos ver o topo da montanha - o Piquinho - quando o avião fez a descida para o aeroporto. Após descermos abaixo do nível das nuvens, o cume manteve-se escondido e assim se manteve até quando mudamos de ilha. Por uma questão de segurança, fomos à Casa da montanha, o centro de receção dos caminhantes e ponto de partida da subida, para obtermos informações sobre as previsões para o dia seguinte. Não obtivemos a resposta pretendida, pois o tempo era incerto, mas ficamos com um "É melhor vir até cá e ver como está o tempo". Assim fizemos. Saímos da vila da Madalena com um céu coberto e cinzento que não permitia ver sequer  a sombra da montanha. Cruzamos a ilha pela estrada longitudinal e ficamos radiantes quando constatamos que a Casa da Montanha estava já acima das nuvens e que o cume estava completamente limpo.

Como referido, é necessário fazer a inscrição de cada caminhante na Casa da Montanha para se poder iniciar a subida. Somos informados das regras e condições de seguranças e visualizamos um breve vídeo informativo. É entregue um GPS com função de rádio para uma eventual emergência e para que os vigilantes possam saber a nossa posição exata durante a subida (surge em tempo real num ecrã da sala da Casa da montanha). De destacar também que somos informados das coimas aplicadas e custos de uma eventual operação de resgate, algo que considero muito positivo para dissuadir muitos "aventureiros" destemidos, que não saibam respeitar a montanha. Também temos de pagar uma taxa de 10€ por pessoa para subir ao Pico e 2€ se a subida incluir a subida ao Piquinho.

Finalmente demos início à subida. Apesar de ser apenas cerca de 5 km, o percurso é bastante exigente, principalmente devido à irregularidade do trilho. Apesar de em algumas zonas ser um trilho bem nítido, noutras é apenas uma linha imaginária entre uma estaca e outra. Em parte do percurso a progressão faz-se de rocha em rocha. Umas boas botas e bastões de caminhada (2 de preferência) são essenciais, em especial para a descida que é muito mais exigente do ponto de vista técnico e mais perigosa também. No nosso caso, a subida fez-se em cerca de 2h30 e a descida demorou 3h. De referir ainda a subida ao Piquinho, o pequeno cume de 70 m que existe no centro da cratera do vulcão. O terreno é muito inclinado e tão acidentado que em certos pontos o mais seguro é usar mãos e pés para a subida.

Resumindo, a subida ao Pico foi incrível. A conquista e superação aliadas às paisagens únicas e vistas fantásticas sobre as ilhas do grupo central tornaram a experiência inesquecível. As dores musculares nos dias seguintes também não deixaram esquecer a dureza da conquista da montanha.

azores_pico_subida_01.JPG

Casa da Montanha

azores_pico_subida_02.JPG

Interior da Casa da Montanha, com o ecrã onde se consegue ver imagens em direto da câmara colocada na subida, bem como os outros caminhantes.

azores_pico_subida_03_1.JPG

A porta para o Pico.

azores_pico_subida_04.JPG

A escadaria de início da subida e o monumento existente.

azores_pico_subida_05.JPG

O aspeto da Casa da Montanha acima das nuvens.

azores_pico_subida_06.JPG

O início do trilho é muito fácil.

azores_pico_subida_07.JPG

Uma das várias crateras pelas quais passamos durante a subida.

azores_pico_subida_08.JPG

A câmara colocada no início da subida que transmite imagens em streaming (disponível no SpotAzores)

azores_pico_subida_09.JPG

Verde e branco

azores_pico_subida_10.JPG

Mais uma cratera observável na subida.

azores_pico_subida_11.JPG

Nessa parte já não se distingue nenhuma trilho, apenas as estacas de orientação.

azores_pico_subida_12.JPG

Aspeto da irregularidade do piso.

azores_pico_subida_13.JPG

Sentimo-nos pequenos perante a montanha.

azores_pico_subida_14.JPG

azores_pico_subida_15.JPG

Nalguns locais, a lava deixou pequenos túneis ocos debaixo da rocha.

azores_pico_subida_16.JPG

O símbolo da paz feito de rochas vulcânicas.

azores_pico_subida_17.JPG

Um mar de nuvens com uma aberta sobre a ilha do Faial.

azores_pico_subida_18.JPG

azores_pico_subida_19.JPG

O Faial já se distinguia um pouco mais.

azores_pico_subida_20.JPG

Aspeto final da subida.

azores_pico_subida_21.JPG

O trilho aqui é bem visível, mas é composto por um chão de gravilha escorregadia.

azores_pico_subida_22.JPG

Na chegada ao topo da cratera.

azores_pico_subida_23.JPG

Vista da cratera e do Piquinho. Conseguem distinguir as pessoas com roupas rosa/vermelho na fotografia?

...

(dica: por cima da palavra sapo)

azores_pico_subida_24.JPG

Finalmente, no topo do Piquinho, com vista para a cratera.

azores_pico_subida_25_1.JPG

O topo de Portugal é aqui!

azores_pico_subida_26_1.JPG

2351 m

azores_pico_subida_27.JPG

Depois da conquista da montanha, iniciamos a dura e longa descida. As estacas marcam o caminho.

azores_pico_subida_28.JPG

Vista para o Faial e a baía da cidade da Horta.

azores_pico_subida_29.JPG

azores_pico_subida_30_1.JPG

Cá estou eu!

azores_pico_subida_31.JPG

Dominando a paisagem.

azores_pico_subida_32.JPG

azores_pico_subida_33.JPG

A descida ainda ia a meio, mas era impossível não parar para contemplar as vistas.

azores_pico_subida_34.JPG

Alcançamos dois grupos diferentes na descida, que tinham dificuldades visíveis para descer.

azores_pico_subida_35.JPG

A base do vulcão parece uma vasta pradaria, com uma cratera aqui e ali.

azores_pico_subida_36.JPG

Buracos no piso sobre túneis lávicos.

azores_pico_subida_37.JPG

azores_pico_subida_38.JPG

No regresso à Casa da Montanha, recebemos o certificado da subida ao Pico.

azores_pico_subida_39.JPG

Regressando à Madalena seguindo pela estrada longitudinal, com vista para a baía da Horta (Faial).

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 10 km (5 km para cada lado)

Tempo:  2h30 para a subida e 3h para a descida (com bom tempo e boa visibilidade)

Tipo: linear

Dureza física: 5/5

Dificuldade técnica: 5/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: 4/5

Informações sobre o percurso: n/a

Outros sites de relevo: n/a

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: n/a

Ponto positivos: beleza e desafio do percurso, topo de portugal

Pontos negativos: percurso fisicamente exigente

Autoria e outros dados (tags, etc)

Açores - Faial - Vulcão dos Capelinhos

por darasola, em 26.02.17

Um dos locais a não perder na ilha do Faial é a zona do vulcão dos Capelinhos. O local é o resultado da erupção de 1957 que durou 13 meses, em que a terra expeliu tonelada de rocha até dar origem a esta área com um aspeto lunar. A zona é extremamente árida e o solo parece apenas areia e pó. Chegar ali parece ser a chegada ao fim do mundo, um marco apenas assinalado pela presença das ruínas do farol. No local existe o Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, cujo edifício se encontra completamente enterrado. Quem chega ao local, quase nem dá por tal é a sua integração na paisagem. Sem dúvida, um projeto muito bem pensado e com uma arquitetura notável que se torna uma mais valia para este local. É possível visitar uma série de painéis informativos sobre a formação e geologia das várias ilhas dos Açores, sobre a construção do próprio edifício, visualizar um filme 3D sobre geologia e vulcanologia do local, nem como subir ao topo do farol (algo que não pudemos fazer por o local estar em manutenção). Apesar de haver um percurso pedestre no local (o Caminho dos Baleeiros), optei por uma pequena caminhada circular na zona em redor. Ficam as fotos.

azores_faia_capelinhos_01.JPG

Chegado ao local, apenas se vê o foral e nem damos conta que o edifício do centro de interpretação está mesmo ali.

azores_faia_capelinhos_02.JPG

azores_faia_capelinhos_03.JPG

Painel informativo sobre o percurso do Caminho dos baleeiros.

azores_faia_capelinhos_04.JPG

azores_faia_capelinhos_05.JPG

Já dentro do átrio principal do centro de interpretação do vulcão dos Capelinhos. O local faz lembrar o covil secreto de um super-vilão dos filmes de 007.

azores_faia_capelinhos_06.JPG

O globo terrestre gigante assinala com luzinhas os locais de atividade vulcânica pelo mundo fora.

azores_faia_capelinhos_07.JPG

Um dos painéis informativos.

azores_faia_capelinhos_08.JPG

A torre do farol.

azores_faia_capelinhos_09.JPG

azores_faia_capelinhos_10.JPG

Do farol, apenas restam as paredes e a torre.

azores_faia_capelinhos_11.JPG

azores_faia_capelinhos_12.JPG

A única visão à superfície do edifício soterrado.

azores_faia_capelinhos_13.JPG

azores_faia_capelinhos_14.JPG

No alto, o farol parece bem pequeno.

azores_faia_capelinhos_15.JPG

O promontório de terra formado pela erupção de 1957.

azores_faia_capelinhos_16.JPG

A vista panorâmica sobre o local do estacionamento e sobre o pequeno porto.

azores_faia_capelinhos_17.JPG

Mais um grupo a percorrer o local.

azores_faia_capelinhos_18.JPG

Quase parecem nómadas perdidos no deserto.

Boas caminhadas

@darasola

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Instagram


Siga o darasola no Instagram

Instagram

Copyrights

A reprodução de todo ou qualquer texto, fotografia ou conteúdo é expressamente PROIBIDA sem autorização por escrito do autor. A reprodução não autorizada é punida por lei. O eventual uso de conteúdos deste blog deve ser SEMPRE acompanhado da referência ao mesmo (de preferência com link). Para contacto: dar.a.sola@sapo.pt

Facebook



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D