Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

Escarpas da Mizarela - PR7 (Arouca)

31.07.09 | darasola

Este percurso das escarpas da Mizarela já era conhecido, pois tinha participado na inauguração promovida pela câmara municipal. No entanto depois dos grandes incêndios de Agosto 2005 a zona ficou profundamente mudada, com o desaparecimento de grande parte da zona de pinhal existente, o que levou a câmara a reformular o percurso. O objectivo desta caminhada foi assim perceber as alterações ao percurso.

O percurso inicia-se junto ao parque de campismo "Refúgio da Freita" e segue pelo bosque e parque de merendas do lado oposto da estrada.

O trilho segue pelo pinhal, uma zona agradável com mesas para merendas e sombras, atravessa uma pequena linha de água em direcção à Frecha da Mizarela.

A chegada à estrada, próximo do lugar da Mizarela. Seguimos à direita pela estrada...

...até ao Miradouro da Mizarela.

À esquerda na foto, a queda de água com o painel informativo sobre os processos geológicos (não fosse um dos geosítios de Geopaque Arouca) que deram origem à maior queda de água de Portugal.

O percurso segue ao longo da estrada que desce até à aldeia da Ribeira durante alguns metros, proporcionando uma bela perspectiva sobre a queda de água.

Mais abaixo o percurso abandona a estrada e segue por um pequeno trilho à esquerda.

Esta parte do percurso é muito bonita com uma vegetação densa e muita sombra, no entanto o percurso é bastante desnivelado com descidas e subidas sucessivas...

... sempre com a queda da Mizarela a espreitar.

No centro da foto e bem lá em cima, o miradouro por onde tínhamos passado.

No fundo da queda de água da Mizarela, existem várias pequenas lagoas e outras pequenas quedas de água.

O vale do rio Caima, que se estende em direcção à zona do Baixo Vouga. Na foto é difícil distingui-la, mas era possível avistar a Ria de Aveiro no horizonte.

Os vestígios dos incêndios de 2005 ainda perduram nas encostas da serra. Lembro-me perfeitamente de ter percorrido esta zona quando era um denso pinhal.

O grupo numa das escarpas com o Caima no fundo do vale.

O vale do Caima.

As primeiras casas da pequena aldeia da Ribeira.

Os campos em socalcos da aldeia da Ribeira.

A travessia do rio faz-se por esta pequena ponte de madeira, junto ao moinho. Uma placa indica que não deve ser utilizada por mais de 3 pessoas de cada vez.

Aproveitamos a frescura das águas para uma pausa e comer um pequeno lanche antes de iniciar a dura subida. A aldeia fica a cerca de 650m de altitude e a aldeia da Mizarela estava a 915m.

Junto ao trilho, alguns castanheiros que devem ter testemunhado a passagem de várias gerações. Mais adiante passámos junto a uma pequena queda de água sobre a ribeira da Castanheira.

No centro da fotografia, lá ao longe, a queda de água da Mizarela, sempre presente ao longo do percurso.

Alguém quer jogar ao Mikado?

Nesta zona do percurso existem uma correntes para facilitar a passagem.

Foi colocada esta ponte para atravessar a ribeira da Castanheira que desce encosta abaixo da aldeia com o mesmo nome, onde existe o fenómeno único das "Pedras parideiras".

As subidas foram sempre íngremes e por vezes em terreno bem acidentado.

A aldeia da Ribeira no fundo do vale.

Mais uma perspectiva da encosta oposta.

Do outro lado da encosta sul, a aldeia da Castanheira onde era visível a área cercada das pedras parideiras.

Ainda ao longe, a aldeia da Mizarela e no alto do horizonte, o marco geodésico do S. Pedro Velho.

Bem lá no fundo, a aldeia da Ribeira numa outra perspectiva.

O percurso dobra um alto para descer novamente...

... em direcção à parede da escola de escalada de Cabaços.

As casas na aldeia de Cabaços no centro da fotografia. O percurso passa na parte de baixo e segue ao longo do muro...

... depois de atravessar esta ponte rudimentar.

As placas informativas na base da parede de escalada.

O trilho continua a subir em direcção à zona de lazer de Albergaria da Serra.

Onde encontramos novamente o rio Caima antes do "salto" pela serra abaixo. Aproveitámos a sombra da árvore para almoçar. O percurso segue novamente ao longo da estrada até à aldeia da Mizarela e regressamos pelo mesmo trilho em direcção ao parque de campismo.

O gráfico de altimetria denuncia as principais características do percurso com descidas e subidas muito acentuadas.

A carta militar com o percurso que perfaz uma distância de aproximadamente 8 km.

Blogs Portugal