Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

Rota do Megalítico - PR5 - Sever do Vouga

27.02.15 | darasola

O destino de mais uma atividade do grupo ANDAR foi Sever do Vouga, para realizar o PR5, a rota do Megalítico. Trata-se de um percurso de cerca de 9 km em redor da aldeia de Arcas e que evidencia a existência de vários vestígios da pré-história na zona centro do país. Ao longo do trilho ligamos a Anta da Sepultura do Rei, a Anta do Poço dos Mouros e a Anta da Capela dos Mouros, três monumentos devidamente destacados, mas com falta de informação no local (alguns painéis estão nos locais, mas o seu estado de conservação já pouco deixa ver. Para além disso, assinala-se o Santuário de Stª Maria da Serra, uma varanda natural sobre a paisagem em redor, de onde se avista facilmente a ria de Aveiro.

No entanto, o percurso perdeu o encanto que poderá ter tido noutra altura devido aos incêndios que afetaram a zona e que deixaram ainda um ar de desolação ao longo de quase todo o percurso. Grandes áreas foram cortadas, deixando para trás um terreno com ramos e folhagem secas, noutras zonas são as infestantes e o mato a crescer a bom ritmo. Pode ser que o percurso volte daqui a uns anos a ser mais interessante do ponto de vista natural. Vale a pena pelo aspecto cultural e arqueológico, mas fora a passagem pelos locais de interesse arqueológico e o santuário de Stª Maria da Serra, os caminhos não têm grande beleza e interesse.

Ficam as fotos:

 

Megalitico_SVV_01.JPG

Painel informativo...

Megalitico_SVV_02.JPG

... junto à capela da aldeia de Arcas.

Megalitico_SVV_03.JPG

Megalitico_SVV_04.JPG

Início da caminhada que foi feita no sentido dos ponteiros do relógio.

Megalitico_SVV_05.JPG

Uma descida pedregosa.

Megalitico_SVV_06.JPG

As infestantes são as primeiras a recuperar depois de um incêndio.

Megalitico_SVV_07.JPG

A zona ainda não recuperou do grande incêndio do Caramulo em 2013.

Megalitico_SVV_08.JPG

Megalitico_SVV_09.JPG

Megalitico_SVV_10.JPG

Monumento da Tumba do Rei

Megalitico_SVV_11.JPG

Mais em detalhe.

Megalitico_SVV_12.JPG

Painel informativo junto ao local.

Megalitico_SVV_13.JPG

O panorama é bastante desolador.

Megalitico_SVV_14.JPG

Megalitico_SVV_15.JPG

Megalitico_SVV_16.JPG

Sinalética

Megalitico_SVV_17.JPG

Chegada ao Santuário de Stª Maria da Serra.

Megalitico_SVV_18.JPG

Felizmente o local foi poupado ao incêndio e mantém árvores imponentes.

Megalitico_SVV_19.JPG

A vista a partir do local permite alcançar a ria de Aveiro, lá ao longe.

Megalitico_SVV_20.JPG

O grupo junto à varanda natural deste local.

Megalitico_SVV_21.JPG

A capela do local.

Megalitico_SVV_22.JPG

Outra perspectiva da varanda natural,

Megalitico_SVV_23.JPG

Saída do local pela serra abaixo.

Megalitico_SVV_24.JPG

Voltamos a encontrar a serra praticamente despida.

Megalitico_SVV_25.JPG

Chegada ao Poço dos Mouros.

Megalitico_SVV_26.JPG

Aspeto geral do monumento com o grupo.

Megalitico_SVV_27.JPG

O local mais em detalhe.

 

Megalitico_SVV_29.JPG

Outra perspectiva.

Megalitico_SVV_28.JPG

No interior do monumento.

Megalitico_SVV_30.JPG

Passamos do caminho florestal ao caminho empedrado.

Megalitico_SVV_31.JPG

Chegada à casa do guarda florestal...

Megalitico_SVV_32.JPG

... ou melhor, às ruínas da casa do guarda florestal.

Megalitico_SVV_33.JPG

Depois de uma parte do percurso seguir pela estrada de acesso à aldeia de Arcas, entramos novamente nos trilhos e por uma zona campestre.

Megalitico_SVV_34.JPG

Passagem de um ribeiro.

Megalitico_SVV_35.JPG

A partir daqui começou um longa subida, não muito acentuada, mas que foi suficiente para quebrar o grupo.

Megalitico_SVV_36.JPG

Chegada ao último dos monumentos megalíticos: a Anta da Capela dos Mouros.

Megalitico_SVV_37.JPG

Outra perspectiva.

Megalitico_SVV_38.JPG

E mais uma da parte central.

O percurso termina pouco mais adiante, regressando junto à capela da aldeia de Arcas.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 10 km

Tempo: sem registo

Tipo: circular

Dureza física: 3/5

Dificuldade técnica: 2/5

Beleza do Percurso: 2/5

Marcação: 3/5

Informações sobre o percurso: aqui

Outros sites de relevo: n/a 

Panfleto oficial: aqui e aqui

Trilho GPX: por contacto

Ponto positivos: Anta da Sepultura do Rei, Anta do Poço dos Mouros, Anta da Capela dos Mouros, Santuário de Stª Maria da Serra

Pontos negativos: a paisagem desoladora causada pelo incêndio de 2013, alguns caminhos em mau estado devido aos ramos cortados por madeireiros

 

Boas caminhadas

darasola

 

Percurso da estação da biodiversidade do Merujal - Freita (Arouca)

18.02.15 | darasola

A estação da biodiversidade do Merujal é um pequeno percurso linear de 1.7 km, que liga o parque de campismo ao miradouro da Frecha da Mizarela. Coincide com a parte inicial do PR7 e corresponde essencialmente a 8 painéis informativos sobre a espécies da fauna e da flora que se pode encontrar no planalto da Serra da Freita.

Não se trata propriamente de um novo percurso, mas é uma mais-valia para quem quiser fazer apenas um pequeno passeio, nomeadamente com crianças, acrescentando um valor pedagógico à caminhada.

Ficam as fotos.

Biodiversidade_Freita_01.JPG

Biodiversidade_Freita_02.JPG

Biodiversidade_Freita_03.JPG

Biodiversidade_Freita_04.JPG

Biodiversidade_Freita_05.JPG

Biodiversidade_Freita_06.JPG

Biodiversidade_Freita_07.JPG

Biodiversidade_Freita_08.JPG

Biodiversidade_Freita_09.JPG

Biodiversidade_Freita_10.JPG

Biodiversidade_Freita_11.JPG

Biodiversidade_Freita_12.JPG

Biodiversidade_Freita_13.JPG

Biodiversidade_Freita_14.JPG

Biodiversidade_Freita_15.JPG

Biodiversidade_Freita_16.JPG

Biodiversidade_Freita_17.JPG

Biodiversidade_Freita_18.JPG

Biodiversidade_Freita_19.JPG

Biodiversidade_Freita_20.JPG

Biodiversidade_Freita_21.JPG

Biodiversidade_Freita_22.JPG

Biodiversidade_Freita_23.JPG

Biodiversidade_Freita_24.JPG

Biodiversidade_Freita_25.JPG

Biodiversidade_Freita_26.JPG

Biodiversidade_Freita_27.JPG

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 1,7 km (ou 3,4 km ida e volta)

Tempo: sem registo

Tipo: linear

Dureza física: 1/5

Dificuldade técnica: 1/5

Beleza do Percurso: 4/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso: n/a 

Outros sites de relevo: n/a 

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: por contacto

Ponto positivos: Frecha da Mizarela, Serra da Freita

Pontos negativos: n/a

 

Boas caminhadas

darasola

Rotas de Vila do Conde - PR/RL2

01.02.15 | darasola

Concluindo os relatos das três rotas pedestres locais de Vila do Conde, depois do PR/RL1 e PR/RL3, concluí com os RL/PR2. A ordem dos percurso não segue a ordem numeral, mas é a forma de conseguir fazer todos os percursos de uma só vez. Depois de regressar novamente junto à zona da Ponte de S. Miguel dos Arcos, em pleno caminho de Santiago, segui as marcações do PR/RL2.

O percurso tem grande parte da sua extensão por alcatrão o que lhe retira algum interesse, no entanto levou-me a descobrir mais um belo exemplar do românico português, na igreja de S. Cristóvão de Rio Mau. Também descobri uma fantástica parte do trilho junto às margens do rio Este, sem dúvida a parte mais interessante do percurso. Terminei já de noite (o problema dos dias curtos) regressando à ponte de D. Zameiro sobre o rio Ave.

VLC_RL2_01.JPG

Painel do mapa do percurso

VLC_RL2_02.JPG

Mais uma vez em cima da ponte de S. Miguel dos Arcos.

VLC_RL2_03.JPG

Os três percursos que ali se encontram.

VLC_RL2_04.JPG

Uma antiga fonte junto ao muro de uma grande propriedade rural.

VLC_RL2_05.JPG

A homenagem ao responsável pela fonte num belo painel, que infelizmente esta a ficar degradado.

VLC_RL2_06.JPG

Chegada à localidade de Rio Mau

VLC_RL2_07.JPG

Deparei-me com esta fantástica igreja românica.

VLC_RL2_08.JPG

Igreja de S. Cristóvão de Rio Mau.

VLC_RL2_09.JPG

Alguns sarcófagos de pedra no adro da igreja.

VLC_RL2_10.JPG

O pórtico da entrada é fantástico.

VLC_RL2_11.JPG

Detalhe do pórtico.

VLC_RL2_12.JPG

A curiosa torre sineira à entrada do cemitério.

VLC_RL2_13.JPG

A partir daqui o percurso perde algum interesse e segue essencialmente por estrada, passando por baixo da auto-estrada A7...

VLC_RL2_14.JPG

... e junto à mesma.

VLC_RL2_15.JPG

No entanto, depois da localidade de Touguinho, o percurso entra na rua Beira Rio e o percurso ganha novamente interesse. Esta parte junto ao rio Este é bastante agradável, é feita por estradões e calçadas, sempre com o rio como companhia. Destaca-se também a fonte da Aguilhada.

VLC_RL2_16.JPG

Depois de terminar esta parte junto rio, ainda encontramos esta zona de açude, também ela com bastante interesse, embora acredite que deva ser mais interessante de dia.

VLC_RL2_17.JPG

Pórtico imponente na estrada da Espinheira.

VLC_RL2_18.JPG

O restante percurso foi feito já de noite e infelizmente sem fotos de interesse, no entanto voltei a terminar junto à ponte de D. Zameiro.

Fica o essencial deste percurso de cerca de 13 km.

 

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 13 km

Tempo: sem registo

Tipo: linear

Dureza física: 2/5

Dificuldade técnica: 1/5

Beleza do Percurso: 2/5

Marcação: 4/5

Informações sobre o percurso: n/a 

Outros sites de relevo: n/a 

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: por contacto

Ponto positivos: Ponte de D. Zameiro, Ponte dos Arcos,Igreja de S. Cristóvão de Rio Mau, margens do rio Este e açudes.

Pontos negativos: grande parte do percurso é por estrada

 

Boas caminhadas

darasola

 

 

 

Blogs Portugal