Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

Açores - Flores - Poço do bacalhau

19.06.17 | darasola

Na ilha das Flores, recomendo a visita a (mais um) local fantástico: o Poço do Bacalhau. Esta queda de água impressionante tem um enquadramento lindíssimo e situa-se junto à localidade da Fajã Grande, a localidade mais a oeste do território português. Já agora, jantar no "restaurante" Maresia é também uma experiência... inesquecível.

Azores_Flores_PocoBacalhau_01.JPG

A vista para a zona da Fajã Grande.

Azores_Flores_PocoBacalhau_02.JPG

A vista lateral sobre a parte superior da cascata. No local, existe uma casa de alojamento local. Boa sorte para conseguirem vaga para lá ficar. Eu não consegui.

Azores_Flores_PocoBacalhau_03.JPG

Finalmente a vista sobre toda a cascata a partir da estrada.

Azores_Flores_PocoBacalhau_04.JPG

Aqui e ali, uns moinhos aparentemente abandonados mantêm as paredes ao alto, junto ao curso de água.

Azores_Flores_PocoBacalhau_05.JPG

Azores_Flores_PocoBacalhau_06.JPG

Este zona faz parte do PR3 das Flores.

Azores_Flores_PocoBacalhau_07.JPG

Sinalética junto à estrada.

Azores_Flores_PocoBacalhau_08.JPG

Azores_Flores_PocoBacalhau_09.JPG

Seguindo em direção à queda de água.

Azores_Flores_PocoBacalhau_10.JPG

A queda de água é tão alta que a água parece desaparecer à medida que se despenha das alturas.

Azores_Flores_PocoBacalhau_13.JPG

Na base da queda de água, existe uma lagoa onde é aparentemente possível tomar banho.

Azores_Flores_PocoBacalhau_14.JPG

Azores_Flores_PocoBacalhau_15.JPG

Um dos moinhos aparentemente abandonado.

Azores_Flores_PocoBacalhau_16.JPG

Azores_Flores_PocoBacalhau_17.JPG

Azores_Flores_PocoBacalhau_18.JPG

Uma dica: se seguirem em direção à Ponta da Fajã (o pequeno lugar com a capela bem visível), poderão encontrar outras quedas de água monumentais. Não são tão belas como a do Poço do Bacalhau, mas não deixam de valer a pena.

Boas caminhadas

darasola

 

PS: Se gostou, agradeço a partilha nas redes sociais.

Açores - Corvo - Caldeirão - PR2COR

04.06.17 | darasola

Da ilha das Flores, demos um saltinho até à ilha mais pequena e isolada de todo o arquipélago: o Corvo. A viagem em si foi uma aventura. Feita num pequeno barco semi-rígido com quase vinte pessoas, o percurso fez-se contornando a costa da ilha a partir de Stª Cruz das Flores até Ponta Delgada, observando grutas e quedas de água apenas observáveis pelo mar. A partir daí foi sempre em frente com a silhueta da ilha a servir de guia. Chegamos à vila do Corvo e com a chegada do barco apareceram algumas carrinhas para levar-nos até ao miradouro do Caldeirão (deixo o contacto do simpático senhor que nos conduziu; João Mendonça - 917 763 029 - joao-antonio-mendonca@hotmail.com). A partir daí pudemos apreciar a beleza do seu interior e das suas lagoas. É nesse preciso local que se inicia o percurso pedestre do Caldeirão - o PR2COR. Para descobrir a riqueza do Caldeirão, basta descer pela sua encosta abaixo - não há que enganar, apenas há esse trilho - e, seguindo as recomendações do trilho, contornamos as lagoas no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. Uma vez no fundo da cratera, apercebemo-nos da real dimensão do local. Tivemos sorte com a meteorologia, pois apesar de um ou outro momento mais encoberto, pudemos usufruir de toda a beleza do local. Isso facilitou-nos também a tarefa de orientação, já que no fundo da cratera, não há propriamente um caminho. O terreno é todo irregular e calcado pelas patas de dezenas de vacas que por lá vivem. A orientação faz-se por marcações habituais dos percursos pedestres pintadas em rochas e algumas (poucas) estacas que (nem sempre) ajudam a orientar. De qualquer maneiras, não há muito por onde enganar. É usufruir da beleza do local pensando na sensação estranha que é estarmos no fundo da cratera de um vulcão. Apesar de termos vindo num carrinha cheia, fomos os únicos a descer para fazer o trilho. Só no final do percurso é que nos cruzamos com um casal de caminheiros, o que acentua a sensação de solidão e imensidão deste local perdido no meio do Atlântico.

 

azores_corvo_caldeirao_19.JPG

Painel informativo junto ao miradouro onde os veículos nos levam.

azores_corvo_caldeirao_20.JPG

A vista para o lado exterior do caldeirão.

azores_corvo_caldeirao_01.JPG

A marca no início da descida.

azores_corvo_caldeirao_02.JPG

O interior do caldeirão está completamente coberto de erva, daí ser usado para a criação de gado bovino.

azores_corvo_caldeirao_03.JPG

É só seguir a marcação... ou a vaca.

azores_corvo_caldeirao_04.JPG

azores_corvo_caldeirao_05.JPG

As marcações são visíveis, mas por ali não fica rasto de caminho.

azores_corvo_caldeirao_06.JPG

Seguindo em direção às lagoas.

azores_corvo_caldeirao_07.JPG

O piso é bastante irregular, pois o constante pisoteio das vacas que por ali pastam e a humidade do solo acaba por deixar buracos, que facilmente podem provocar um entorse. Convém então ver bem onde se colocam os pés.

azores_corvo_caldeirao_08.JPG

As estacas de marcação do percurso são poucas e algo distanciadas umas das outras, por isso em alguns locais não as vimos. Fomos mantendo a direção até encontrarmos outra marcação.

azores_corvo_caldeirao_09.JPG

azores_corvo_caldeirao_10.JPG

Junto à margem de uma das lagoas.

azores_corvo_caldeirao_11.JPG

O céu ficou mais coberto, mas o ambiente continuava quente e húmido.

azores_corvo_caldeirao_12.JPG

azores_corvo_caldeirao_13.JPG

Na encosta oposta à da descida, encontrámos parcelas de terreno delimitadas por muros de pedras e de hortênsias.

azores_corvo_caldeirao_14.JPG

O céu azul voltou a surgir.

azores_corvo_caldeirao_15.JPG

Uma encosta que parece uma manta de retalhos.

azores_corvo_caldeirao_16.JPG

azores_corvo_caldeirao_17.JPG

Uma linha de água cheia de hortênsias.

azores_corvo_caldeirao_18.JPG

Terminado o percurso circular em redor do fundo da cratera, iniciámos a subida por onde tínhamos descido, para alcançar o ponto de partida. Restou-nos então ligar ao taxista que nos tinha levado para voltar recolher-nos para chegarmos a horas de regressar à ilha das Flores. Na viagem de barco de regresso, tivemos a sorte de sermos acompanhados por um bando de golfinhos, que saltavam de um lado e do outro do barco. Fantástico!

Ficha técnica: 

Distância: cerca de 5 km

Tempo:  2h30

Tipo: circular

Dureza física: 2/5

Dificuldade técnica: 1/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: 3/5

Informações sobre o percurso: aqui

Outros sites de relevo: n/a

Panfleto oficial: n/a

Trilho GPX: n/a

Ponto positivos: beleza e tranquilidade do caldeirão

Pontos negativos: piso algo traiçoeiro, temos de estar sempre a olhar para o chão.

Blogs Portugal