Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

Caminito del Rey - Málaga - Espanha

21.01.18 | darasola

A história do Caminito del Rey é um pouco semelhante à da Ruta del Cares e está ligada à construção de acessos para a construção de uma central hidroelétrica num rio - neste caso o Guadalhorce - que atravessa um desfiladeiro. A sua construção fez-se entre 1901 e 1905 para permitir o transporte de materiais e circulação de operários na construção da barragem (entre 1914 e 1921). Em 1921, o rei espanhol Afonso XIII visitou o local para a inauguração da barragem Gaudalhorce-Guadalateba, o que acabou por dar origem ao nome "Caminito del Rey". O tempo encarregou-se de degradar a segurança das passarelas de cimento ao mesmo tempo que aguçava o apetite dos fãs de adrenalina e o epíteto de "caminho da morte" ou "caminho mais perigoso do mundo" começaram a cruzar as fronteiras. Ciente do interesse crescente e do valor turístico do local, a deputacion de Málaga iniciou obras de restauro em 2014 criando um "produto" turístico de destaque a nível internacional que abriu ao público em março 2015. Já ouvia falar do Caminito del Rey há vários anos, ainda do tempo em que o acesso tinha sido proibido devido às mortes que ocorreram. É claro que ficou sempre debaixo de olho e restava apenas aparecer uma oportunidade para ir até lá. Esteve para ser no verão 2016, mas acabou por ser no ano seguinte, até porque a entrada é paga e é necessário fazer a reserva antecipada através do site oficial (http://www.caminitodelrey.info). Não é nada fácil arranjar bilhete, pois aparece sempre tudo esgotado, mas lá se conseguiram bilhetes (Modo visita guiada).

Já agora ficam aqui os valores dos bilhetes:

Preços 2017/18): visita livre (10 € pax), visita com guia (18 € pax). Recomendo que comprem logo o bilhete de autocarro (1.55 € pax) junto com o bilhete da visita, pois o percurso é linear e existe um serviço oficial de shuttle para nos levar de volta à zona de partida.

O Caminito del Rey segue o curso do rio num percurso de 7,7 kms dos quais 4,8 kms são de acessos (caminhos em terra batida/rocha) e 2,9 kms pelos famosos passadiços suspensos. O percurso é simplesmente fantástico, com paisagens impressionantes e sempre com muita segurança, aliás, tudo é tão seguro e controlado que quase elimina a adrenalina. Penso que mesmo não deve haver qualquer problema para quem sofre de vertigens, pois existe sempre proteções laterais de segurança altas.

Caminito_01.JPG

O carro ficou junto à barragem do Conde de Guadalhorce.

Caminito_02.JPG

Atravessámos o paredão da barragem, com pormenores bem interessantes e água com um azul turquesa fascinante.

Caminito_03.JPG

O outro lado do paredão.

Caminito_04.JPG

Há 2 acessos para chegar ao início do percurso: por um trilho junto ao rio de 2,7 km...

Caminito_05.JPG

ou o acesso superior de 1,5 km cujo início se faz por um túnel. Optámos pela maneira mais original e mais curta por uma questão de gestão de tempo.

Caminito_06.JPG

Depois de passar o túnel, a vista sobre o vale do rio Guadalhorce.

Caminito_07.JPG

O trilho ainda passa por mais um túnel de acesso.

Caminito_08.JPG

Caminito_09.JPG

Chegados ao local da bilheteira, é necessário esperar pelo horário de entrada (cada bilhete tem hora de entrada marcada). São distribuídos capacetes a todos os visitantes e os intercomunicadores (apenas para as visitas guiadas) e iniciámos o percurso passando junto ao embalse de Gaitanejo e à antiga central.

Caminito_10.JPG

Caminito_11.JPG

Assim que o caminho faz a curva e avistamos o primeiro "cañon" - o desfiladeiro de Gaitanejo - ficamos impressionado pela paisagem por onde nos íamos aventurar.

Caminito_12.JPG

 Caminito_13.JPG

Para entrar na zona dos passadiços, passámos outra porta de segurança, por isso quem tiver ideias de se aventurar por conta própria pode desistir.

Caminito_14.JPG

No fundo do desfiladeiro, o rio, que mais parecia um ribeiro, corria calmamente e parecia incapaz da proeza de ter esculpido aquele caminho impressionante montanha adentro.

Caminito_16.JPG

Entramos finalmente nos famosos passadiços de madeira cravados na parede e suspensos nas alturas.

Caminito_15.JPG

O desfiladeiro alarga e deixa visível parte da conduta da água que abastecia a central.

Caminito_17.JPG

Olhando para trás.

Caminito_18.JPG

O percurso segue por cima do muro da antiga conduta de água (à direita).

Caminito_19.JPG

O passadiço zizagueia ligeiramente para vencer o desnível nesta zona.

Caminito_20.JPG

O desnível visível com os dois níveis de passadiços.

Caminito_21.JPG

Caminito_22.JPG

Do outro lado do vale, a linha de comboio (em funcionamento) perde-se nas entranhas da montanha.

Caminito_23.JPG

Mais à frente na zona do Tajo de las palombas, encontramos um pequena ponte bastante degradada que terá sido usada pelo rei Afonso XIII para terminar a sua visita ao Caminito. Segundo a guia que orientou o grupo onde estávamos, o rei nunca terá percorrido a totalidade do percurso. Atravessou ali o vale para entrar no comboio que o esperava para regressar aos seus aposentos reais.

Caminito_24.JPG

Entrámos então no Valle del Hoyo, um vale amplo com vegetação típica das montanhas em zona mediterrânica. 

Caminito_25.JPG

As sombras foram bem-vindas.

Caminito_26.JPG

Caminito_28.JPG

Seguindo junto à antiga conduta.

Caminito_29.JPG

Começamos então a avistar a entrada do último e mais impressionante desfiladeiro do Caminito: o Desfiladero de los Gaitanes.

Caminito_30.jpg

Os caminheiros pareciam dirigir-se para a boca de um gigante.

Caminito_31.JPG

O percurso chega mesmo a seguir pela própria conduta da água.

Caminito_32.JPG

A entrada de uma gruta foi tapada e serve de refúgio a espécies locais de morcegos.

Caminito_33.JPG

Olhando para trás, para a entrada do novo passadiço.

Caminito_34.JPG

Do outro lado do vale, a secção visível por onde espreita a linha de comboio impressiona e leva-nos a pensar no esforço necessário para furar a montanha com a tecnologia existente na altura (Séc. XIX).

Caminito_35.JPG

Na escarpada parede é bem visível a sobreposição do passadiço de cimento original com o novo passadiço por cima.

Caminito_36.JPG

Conseguem ver a pessoa no miradouro de chão de vidro sobre o vazio?

Caminito_37.JPG

Passadiço sobre passadiço. É impressionante!

Caminito_38.JPG

Nalgumas secções do passadiço, consegue-se ver perfeitamente partes do caminho antigo que ruíram.

Caminito_39.JPG

Vidas suspensas nas alturas.

Caminito_40.JPG

Existe uma cavidade na parede que permite ver o Caminito em lados opostos. Na outra margem do rio, o túnel por onde passa o comboio.

Caminito_41.jpg

Já perto do final da zona dos passadiços, encontramos uma estrutura que parece uma ponte, mas na verdade trata-se da travessia da conduta de água na ponte-aqueduto de Ribera.

Caminito_42.JPG

A foto cria a ilusão de que as pessoas estão a passar por cima do aqueduto, mas não.

Caminito_43.jpg

Foi criada um ponte suspensa mesmo ao lado do aqueduto e é por aí que se faz a passagem para a parede oposta, 35 m de um lado ao outro.

Caminito_44.jpg

A ponte suspensa abana um pouco e o fundo metálico permite ver o rio a correr beemmmm lá ao fundo, pois estamos a 105 m de altura.

Caminito_45.JPG

Na outra parede, o Caminito continua cravado na rocha suspenso bem alto acima do solo.

Caminito_46.jpg

Caminito_47.jpg

Acabamos por sair do desfiladeiro...

Caminito_48.JPG

... e seguir pela parede fora em direção à linha férrea.

Caminito_50.jpg

Caminito_53.jpg

Uma autêntica gaiola metálica.

Caminito_51.jpg

Caminito_52.jpg

Passámos por cima da linha de comboio.

Caminito_54.jpg

Caminito_55.jpg

À medida que nos vamos afastado da montanha, percebemos realmente a proeza que foi construir aquele passadiço suspenso na parede.

Caminito_57.jpg

Mal se consegue perceber onde estão as pessoas ao longo do passadiço.

Caminito_58.jpg

Quanto mais nos afastamos, mais temos a noção do quanto a montanha é imponente.

Caminito_56.jpg

O caminho leva-nos a alcançar cerca de 2 km depois a localidade de El Chorro. Antes de chegar lá, encontramos uma casa que marca o fim do percurso e onde deixamos os capacetes das visitas. Em El Chorro, existe uma estação de comboio, que pode ser uma alternativa para se deslocar até ao Caminito, e bem perto a paragem dos autocarros onde estava o shuttle que nos levaria de regresso à zona da partida.

 

Ficha técnica: 

Distância: 7,7 km

Tempo: 4 h

Tipo: linear

Dureza física: 1/5

Dificuldade técnica: 1/5

Beleza do Percurso: 5/5

Marcação: n/a

Informações sobre o percurso

Ponto positivos: paisagens e vistas ao longo do percurso

Pontos negativos: nada a assinalar

Nota: Está em construção um centro de acolhimento ao visitante que à data de hoje (Janeiro 2018) está concluído (o edifício) mas que ainda não foi inaugurado. No futuro, será provavelmente o melhor local para se dirigir em busca de informação (Coordenadas N 36º 54.919 W 004º 48.434)

 

 

Blogs Portugal