Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

darasola

Percursos pedestres, caminhadas, pedestrianismo, trekking, trilhos, aventuras, viagens, passeios e descobertas!

Picos da Europa - Horcados Rojos (PR - PNPE 23) - Cabana Verónica

04.11.12 | darasola

 Mais um relato de uma das caminhadas realizadas nos Picos da Europa. Depois de descobrir a pequena vila de Potes, subimos até Fuente Dé, com vista a andar no teleférico local ("El Cable"). Fiquei deslumbrado com o local, não só pela ascensão que o teleférico permite, mas especialmente pela dimensão da paisagem. O prado que se encontra no sopé da montanha é fantástico e de uma dimensão que nunca tinha visto. Sentimo-nos mesmo pequeninos. Depois da subida no teleférico (gluppp, é hoje que morro...) e das fotos da praxe no topo do monte, acabamos por esticar o passeio um pouco mais e quando dei por isso, já estávamos a percorrer o PR - PNPE 23 - Horcados Rojos, que nos levaria até à Cabana Verónica, um pequeno abrigo de montanha. O trilho é exigente do ponto de vista do piso, pois é praticamente só cascalho (e eu sem as minhas botas de caminhada), mas bastante acessível do ponto de vista físico, tanto é que encontrámos várias crianças a percorrê-lo. Felizmente tivemos a sorte de ter um dia fantástico, mas depois do calor sufocante de Potes, não esperava o "fresquinho" que se fazia sentir lá no alto. Com as idas e voltas, acabamos por percorrer cerca de 14km, assim como quem não quer a coisa.

Eu em 1º plano e a imensidão do prado e da montanha.

Estação inferior do teleférico (1078 m de altitude)

A vista para a "descolagem" que nos esperava.

Foto tirada do interior do teleférico com a nossa sombra lá beeeem em baixo! Ai meu Deus, se isto cai não sobra nada....

Chegada à estação superior (1874 m). Lá bem em baixo (753m abaixo) vê-se a estação de onde partimos.

A vista para o vale de Fuente Dé e as montanhas circundantes.

Vista geral da estação superior do teleférico e alguns dados:

Capacidade de cada cabine: 20 passageiros

Duração da viagem : 3:40 min

Comprimento do cabo: 1450 m

Velocidade: 10 m/s

Altitude da estação inferior: 1078 m

Desnível: 753 m

Altitude da estação superior: 1834 m

Lá vai mais um a descer...

Existe uma plataforma sobre o vazio, onde se pode tirar fotos com um vazio de mais de 700 m debaixo dos nossos pés. Nem todos conseguem fazê-lo.

Depois de abandonar a estação, esta é a vista para o planalto e os montes a Norte.

A sinalizaçao do PR é a branco e amarelo. E neste local existe o PR 23 e o PR24.

Apesar dos montes parecerem bastante agrestes, há por ali gado a pastar.

O percurso passando no sopé da montanha.

A fotos não conseguem traduzir a escala real da paisagem.

Bifurcação. Aqui vem ter o percurso que sobre de Fuente Dé até acima, para quem não quer ir pelo teleférico.

O percurso estava muito concorrido nesse dia, fruto do bom tempo que se fez sentir.

Uma família completa a meio da subida, numa paragem para reforço alimentar.

Agora é que começa a subida a sério.

Aos "zzzzzzz" pela montanha acima. Conseguem ver as pessoas minúsculas na imagem?

Olhando para trás, de onde viemos. Vê-se perfeitamente o trilho que nos leva à zona do teleférico.

Mais um jovem "senderista" caminhando pelos pedregulhos que caraterizam o piso nesta zona.

Mais uma perspetiva para trás.

Parece logo ali ao lado, mas ainda falta muito.

Uma mariola.

Já chegámos? Não! Ainda falta isto tudo! A branco, podem ver-se pedaços de neve gelada que ainda por ali estavam em agosto!!!

Lá no alto, começámos a ver algo a brilhar: a cabana Verónica!

O PR segue em direção ao pequeno cume de onde se vê a outra vertente, mas optei por seguir até à cabana, para ver como era o abrigo.

Por lá encontrei estes gralhas de bico amarelo (Pyrrhocorax graculus) bastante oportunistas, que nos sobrevoavam e iam aproximando-se quando viam que havia uma refeição grátis.

Por lá também deixei esta marca do darasola, tão eterna e tão efémera quanto esta aventura, foi apenas um dias, mas ficará recordado para sempre.

Para ir até final do trilho, basta seguir para Este até ao alto da vertente.

A aproximação à cabana Verónica, que mais parece um módulo lunar.

A entrada para a estação espacial...

O sistema de painéis solares.

Uns reservatórios de águas (limpas? Sujas?)

Não percebi o que seria isto. Algum local de compostagem? Um forno solar?

A cápsula permite apenas a estadia a meia dúzia de pessoas.

A vista desde Cabana Verónica para Sul.

Depois, bem depois foi descer, o que me custa sempre mais. Nesta foto é bem visível o trilho e o quão tortuoso é nesta parte.

Sinalética curiosa para indicar que se deve virar ligeiramente.

O regresso à zona dos prados.

As rochas tinha zona bicudas, provocadas pela erosão do local.

Painel informativo do percurso.

A descida pelo teleférico.

A vista para o destino lá em baaaaaaaaaaaixo.

Até o estacionamento parece pequeno.

Para quem quiser espreitar, existe uma webcam colocada na estação superior. Espreitem!

 

Distância: cerca de 14 km

Tempo: 3h30 (+/-)

Tipo: linear

Dureza física:

Dificuldade técnica:

Beleza do Percurso:

Marcação

Informações sobre o percurso: (não disponível)

Panfleto oficial. (não disponível)

 

Ponto positivos: teleférico, o prado, toda a montanha

Pontos negativos: ...

Blogs Portugal

1 comentário

Comentar post